Entrevista

As mulheres devem por direito participar na governação

Cândido Bessa

 Apontada por alguns como a provável Primeira-Ministra de Portugal já em 2019, Assunção Cristas é vista como uma pessoa “muito humana”, honesta e sempre preocupada com o próximo. Se calhar fruto da educação religiosa. É a primeira mulher a dirigir o CDS-PP, partido que já teve na sua direcção notáveis como Diogo Freitas do Amaral,Adelino Amaro da Costa, Basílio Horta (hoje PS), Adriano Moreira e mais recentemente Paulo Portas. Nascida em Angola e de mãe angolana, já foi ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território de Portugal. Está em Luanda para ministrar uma palestra e manter encontros com partidos políticos.
Em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, Assunção Cristas fala do papel da mulher na política, das relações entre Angola e Portugal, sem esquecer o caso Manuel Vicente, e conta o que aprendeu com a “geringonça”, nome atribuído à coligação de António Costa, que, apesar de perder as eleições, conseguiu uma coligação de deputados para governar.  

Líder do CDS-PP Assunção Cristas
Fotografia: DR

Uma das razões da sua visita a Angola é uma palestra sobre a participação da mulher na política. Que mensagem pretende transmitir?
Todos os países são feitos por mulheres e homens, faz sentido que metade da população não tenha - não queira ou não possa - ter uma palavra a dizer sobre o nosso futuro? São milhões de mulheres que, por direito, podem, devem e têm de participar em toda a decisão e governação. Cada país é diferente e respeitamos isso, mas venho falar da realidade que conheço, das dificuldades que existem para a mulher, e de como as conseguimos ultrapassar.

É a primeira mulher a dirigir o CDS-PP. Há dois anos foi eleita com mais de 95 por cento dos votos e este ano com 85 por cento. Que significado vê na sua escolha para a política portuguesa?

Penso que é mais um sinal para as mulheres portuguesas de que é possível chegar a todos os lados. É possível conciliar uma família com marido e quatro filhos e uma vida política exercida ao mais alto nível.
 
Qual é a marca que quer deixar no CDS e na política portuguesa?
Uma política feita de proximidade, na rua, ouvindo e conversando com as pessoas, ouvindo os seus problemas e procurando, em conjunto, as melhores soluções. Também uma política pela positiva: quando criticamos, apresentamos soluções - propostas para melhorar a vida das pessoas. Pensamos nos problemas, estudamos e propomos pacotes legislativos - sobre o apoio a idosos, educação, segurança social e natalidade. Respostas práticas para os problemas das pessoas, que querem e merecem resultados. Queremos crescer o mais que pudermos e falar para todas as pessoas, sem excepção. Sou idealista na ambição de fazer o bem e pragmática nas soluções para conseguir o melhor possível.

O que pretende transmitir aos partidos políticos angolanos com assento parlamentar nesta sua visita?
Venho aprofundar as relações entre o CDS e partidos angolanos, como faz sentido entre dois Estados amigos. Venho conhecer, falar e aprender, em prol dos portugueses que vivem e trabalham em Angola, dos angolanos que vivem e trabalham em Portugal, e das tantas empresas  que exportam para este país.

Como angolana e filha também de uma angolana, que avaliação faz das relações entre os dois países e como Angola e Portugal podem aproveitar a proximidade existente em benefício dos dois povos e Governos?
Somos dois países soberanos que, na sua autonomia, escolhem a amizade e a cooperação que todos sabemos fazer sentido e ser o melhor para os nossos povos. Temos muitos interesses comuns e não há melhor do que trabalhar com quem fala a mesma língua. Nasci em Angola, como diz, mas saí muito cedo, com nove meses apenas, mas digo-lhe que cada visita a Luanda é sempre um regresso com emoção. Também por isto, por ser tão natural, as relações, de amizade e respeito entre Portugal e Angola serão sempre próximas. 
 
Que conclusão tira do Caso Manuel Vicente?
As decisões judiciais devem ser respeitadas como tais: são decisões judiciais que não devem ser nem condicionadas, nem aproveitadas politicamente.
O CDS sempre defendeu que as relações internacionais entre Estados se regem por princípios e costumes que permitem o seu livre desenvolvimento - com respeito pelas soberanias de cada qual.
As relações entre Portugal e Angola são insubstituíveis e beneficiam de uma larga amizade entre os dois povos. Tenho esperança que o novo quadro agora aberto permita aos órgãos de soberania de Portugal e Angola retomarem um nível excelente de cooperação - que é o único que serve os interesses em comum e os interesses dos dois países. 

Por que levou tanto tempo para se resolver?
Infelizmente, os tempos judiciais são longos, demasiado longos. E mesmo que assim o sejam para dar garantias aos cidadãos, a verdade é que se os processos demoram muito a justiça corre o risco de perder a eficácia.
 
O mundo convive hoje com o aumento da pobreza, do desemprego jovem e da precariedade social. Faltam novas políticas ou novos políticos?
Para os novos problemas devemos ter novas políticas, e as soluções antigas têm de se adaptar. Na política temos de ser prudentes, claro, mas também abertos à novidade e à realidade. O combate à pobreza e exclusão, que na nossa perspectiva se faz com uma acção social, mas também com políticas públicas para que a economia funcione bem, é uma prioridade para nós, no CDS.
 
Se fosse primeira-ministra que medidas concretas tomava para aumentar o emprego e combater a precariedade social?
 Temos apresentado iniciativas legislativas nesse sentido. O caminho passa pela promoção do investimento, pela competitividade – nomeadamente, com recurso a mais formação e mais qualificação profissional -, fiscalidade mais atractiva, com soluções pragmáticas. Mas isto sem deixar ninguém para trás, os que mais precisam ou os mais velhos. 

Até que ponto a figura de Paulo Portas, que esteve 16 anos consecutivos à frente do partido, facilita ou prejudica a sua liderança?
Paulo Portas foi um grande líder do CDS durante muito tempo e deu muito ao país - por exemplo, nas relações externas, como sabe bem -  e a sua amizade e disponibilidade é sempre uma ajuda para o partido e para mim.

Apesar de ganhar as eleições, não conseguiu formar governo. Os resultados podem significar uma penalização dos eleitores pela política seguida. Se for novamente governo, o que pensa fazer diferente? 
Nós fomos governo, com o PSD, numa altura em que Portugal e os portugueses tiveram de fazer muitos sacrifícios para recuperar da crise onde o governo de Sócrates tinha deixado o país. Foi com o nosso governo, em coligação, que conseguimos começar a recuperar. Espero que o centro-direita volte ao Governo e, já sem crise, possa dar um crescimento sólido a Portugal.

Que estratégia para derrotar as “esquerdas unidas”?
As “esquerdas unidas” são uma coligação que diz na rua uma coisa e depois vota outra no orçamento do Estado, que fingem zangas ideológicas e depois negoceiam acordos. A nossa estratégia é a coerência das nossas propostas, que muitas vezes as “esquerdas unidas” votam contra só por vir do CDS, mesmo que até concordem. Para nós o País tem de estar primeiro.
 
Que medidas concretas existem para questões como saúde, educação e natalidade?
Na natalidade, defendemos políticas transversais com sensibilidade à família com filhos, da fiscalidade à habitação, dos direitos do trabalho às creches e jardins-de-infância. Na Saúde apostamos na prevenção e num sistema que integre os cuidados primários, hospitalares, continuados e paliativos, garantindo qualidade de vida até à morte natural. Na Educação, defendemos uma escola de exigência de maneira a garantir oportunidades para todos os alunos, promovendo a liberdade de escolha e autonomia dos projectos educativos.

O CDS nunca conseguiu mais de 16 por cento de votos nas legislativas, mas diz que está preparada para governar e que é capaz de ser primeira-ministra, se calhar já em 2019. Onde é que vai buscar tanto optimismo?
Eu tenho confiança no que acredito e no que a equipa do CDS consegue fazer. Tenho uma ambição para o meu país e se não tivesse essa vontade, não estaria aqui.  Acredito no resultado do trabalho e no CDS trabalhamos e muito. Somos um partido de mangas arregaçadas. E acima de tudo, considero que o CDS é um partido de futuro! Temos a melhor juventude partidária do país, activa, militante, cheia de ideias. Temos a melhor geração de deputados no Parlamento, eficaz, conhecedora, preparada. Temos a melhor equipa de elaboração do programa eleitoral, jovem, focada nos novos temas e problemas, com experiência e currículo, com capacidade demonstrada. Todos nós portugueses merecemos que cada um que se envolva na política dê o seu melhor e é o que estamos a fazer no CDS.

Sempre disse que não há nenhuma aproximação ao Partido Socialista. O que distancia tanto os dois partidos?
O PS decidiu aliar-se com dois partidos de esquerda radical - que são, por exemplo, contra as tradicionais alianças e posicionamento internacional de Portugal, ou contra a União Europeia e o euro - pelo que não seria compreensível que depois viesse pedir ajuda quando esta lhe faltar nos aliados que escolheu.   Este PS fez a sua escolha.
 
Quando António Costa tomou posse, em 2015, a coligação PSD-CDS não lhe dava mais de seis meses de duração. A verdade é que não só permanece, como continua a subir nas intenções de voto. O que está errado?
Apesar de eu não ter dito isso, é verdade que foi assim visto por muitos: porque é um Governo apoiado por partidos cujos princípios e programas são contra muito do que é o Portugal moderno. Como é que funcionou? Politicamente, porque esses princípios e programas foram deixados na gaveta - fazem uma austeridade encapotada em impostos indirectos e com cativações orçamentais - e porque a recuperação económica, começada no Governo anterior, começou a dar frutos.

 O que apreendeu com a “geringonça”?
Que mais importante que ser o maior partido é conseguir uma maioria (em coligação) no Parlamento, que garanta um Governo. Isto serviu à esquerda, serve também para o centro-direita. Ou seja, aprendemos todos em Portugal, que, com o que se passou em 2015, acabou o voto útil. Acabou o voto para o primeiro lugar. Apesar de termos ganho as eleições, com o PSD, acabou por ser o PS a formar Governo, porque conseguiu o apoio parlamentar de uma maioria. Com isto inaugurou-se uma nova era. E em 2019, quando voltarmos a ter eleições legislativas, não será preciso ficar em primeiro lugar para governar, será preciso é garantir o apoio de um conjunto de 116 deputados. É para isso que trabalharemos. E, claro, tudo faremos para um dia sermos a primeira escolha.
 
O CDS-PP sempre defendeu que a economia deve servir o Homem e não o inverso. Como é que isto se aplica no contexto actual?
Exactamente, é a Economia que deve servir o Homem. Nós somos democrata-cristãos, defendemos, como diz, uma economia social de mercado, em que equilibramos a liberdade de iniciativa com o fim do bem-comum. Hoje, isto aplica-se com um Estado com uma regulação forte da economia, que impeça os abusos e que apoie quem mais precisa.

 

  PERFIL

Assunção Cristas é angolana. Nasceu em Luanda, a 28 de Setembro de 1974.  A mãe também nasceu em Angola, na Gabela, Cuanza-Sul, e o pai, embora nascido na Beira, Moçambique, veio para Angola ainda criança.
Os pais casaram-se em Luanda e tiveram três filhas, a que se juntaram mais dois filhos, já nascidos em Portugal, depois da saída de Angola em 1975. Assunção Cristas é doutorada e professora universitária.
Nessa qualidade, por diversas vezes, deu aulas na Universidade Agostinho Neto, num curso conjunto de doutoramento com a Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa.
Já no contexto político, esteve em Angola, por duas vezes, em 2012, na qualidade de ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território.
 Desta vez, desloca-se a Luanda a convite da Universidade Agostinho Neto para proferir uma palestra sobre a participação da mulher na política.
 Aproveita a oportunidade para manter contactos bilaterais com os maiores partidos políticos angolanos com representação parlamentar e ainda para um encontro com a Organização da Mulher Angolana.
Assunção Cristas, casada e mãe de  quatro filhos, é presidente do CDS-PP desde 2016, deputada na Assembleia da República e vereadora da Câmara Municipal de Lisboa.

Tempo

Multimédia