Entrevista

Jovens são a grande aposta para a agricultura

Domingos dos Santos| Quibala

A província do Kwanza-Sul tem dados passos significativos no sector agrícola. Depois da criação do Projecto Aldeia Nova e do relançamento de muitas fazendas por iniciativa privada, surge agora o Projecto Terra do Futuro vocacionado para a formação de jovens empresários agrícolas.

Província do Kwanza-Sul tem perspectivas animadoras para o desenvolvimento social
Fotografia: Eduardo Pedro

A província do Kwanza-Sul tem dados passos significativos no sector agrícola. Depois da criação do Projecto Aldeia Nova e do relançamento de muitas fazendas por iniciativa privada, surge agora o Projecto Terra do Futuro vocacionado para a formação de jovens empresários agrícolas. O governador da província, Serafim Prado, considera que apostar na juventude é uma forma de atingir o grande objectivo que é a modernização e crescimento da agricultura na província.

Jornal de Angola - Como está o Projecto Terra do Futuro dois anos depois do lançamento?

Serafim do Prado -
Em 2009, lançámos este projecto e fizemos tudo para que fosse exequível. Quando cá estivemos, para o lançamento da primeira pedra, não havia uma única infra-estrutura, apenas uma casita que servia de apoio enquanto se fazia a desmatação e preparação de terrenos. Volvidos dois anos, vemos que o projecto avançou consideravelmente. Temos dez jovens que são os primeiros empresários agrícolas formados no Projecto Terra do Futuro. Para esta segunda fase, mais 17 jovens, que iniciaram a sua formação há um mês, fazem um total de 27 empresários agrícolas jovens.

JA - O que foi feito nestes dois últimos anos?

SP -
Nestes dois anos, os terrenos foram desmatados, trabalhados e cultivados. Já foram lançadas as sementes para a produção do arroz, milho, soja, feijão e trigo. As habitações dos jovens empresários estão a ser erguidas e sete já estão prontas. Temos em construção outras nove casas. O projecto começou bem e vai bem após dois anos de existência. Não foi por acaso que o Governo Provincial o aprovou, vimos nele algo significativo para a vida do país e dos jovens.

JA - A formação dos jovens como empresários agrícolas, significa a passagem de testemunho da velha geração para a mais nova?

SP -
Estes jovens empresários existem para dar um impulso ao crescimento da agricultura e do desenvolvimento do nosso país. São jovens de famílias humildes, com formação em agronomia, que procuram obter conhecimentos agrícolas em função das aulas teóricas que tiveram nas escolas, neste caso particular a província do Kwanza-Sul conta com os Institutos Médio Agrário do Waku Kungo, no município da Cela, e o Superior Agrário, no Sumbe. Formam mão-de-obra especializada para trabalhar nas fazendas. Estes jovens vão contribuir para aquilo que é o nosso grande objectivo: A modernização e crescimento da agricultura no país.

JA - O Projecto Terra do Futuro que está a ser executado nesta província vai ser levado a outras províncias?

SP -
O Projecto Terra do Futuro devia ser abraçado por outras províncias, por isso, lançámos um apelo aos interessados para virem visitar o que temos aqui. Podem fazê-lo por meio do Governo Provincial do Kwanza-Sul ou através dos seus promotores. É um projecto de natureza privada, com financiamento do Banco de Desenvolvimento de Angola. Felizmente fomos bem sucedidos e hoje está aqui a resposta. Temos quase tudo feito. Posso dizer, como muita satisfação e emoção, que valeu a pena o sacrifício.

JA - A província do Kwanza-Sul pode ter outros projectos ligados à agricultura e pecuária, a curto prazo?

SP -
Não digo a curto prazo, mas a médio prazo é possível. Porque não podemos fazer tudo ao mesmo tempo. É preciso seguir o princípio do passo a passo, isto é muito importante. Logo que o projecto esteja consolidado e os promotores quiserem, propusemos levar esta iniciativa para outro município. A nossa ideia é irmos para os municípios do Ebo e de Cassongue, onde as terras são muito férteis e os recursos hídricos bons. O Governo  apoia o surgimento de outros projectos que venham de facto explorar o potencial existente para podermos ter muitos jovens empresários agrícolas. Este projecto é muito diferente dos outros, por isso prometemos seguir de perto a sua execução para termos bons resultados.

JA - O projecto é de iniciativa privada. Qual é o contributo do Governo Provincial?

SP -
O governo da província do Kwanza-Sul tem participado neste projecto do ponto de vista institucional: desde a concessão de terras aos os procedimentos administrativos. Não criamos dificuldades, evitamos toda a burocracia para que o projecto possa avançar.

JA - Além da formação de jovens empresários agrícolas, que outros benefícios proporciona o Projecto Terra do Futuro?

SP -
Este projecto tem muitos benefícios para a nossa província e um deles é o aumento do Produto Interno Bruto do Kwanza-Sul. Daqui a mais dois anos começamos a produzir para o mercado e até a exportar produtos para outros países da região austral. Esta é uma grande vantagem. Mas o mais importante de tudo é termos jovens que podem ser empresários agrícolas e ajudar outras agricultores que necessitam de apoio técnico.

JA - O Projecto Terra do Futuro pode ter os mesmos problemas do Aldeia Nova?

SP -
Posso afirmar que não.  Aldeia Nova está a funcionar, mas precisa de alguns reajustes para cumprir os objectivos para quais foi criado. O primeiro objectivo do Projecto Aldeia Nova foi político. Irmãos desavindos, outrora de armas apontadas uns contra os outros, conseguiram coabitar no mesmo espaço. Do ponto de vista social aumentamos a qualidade de vida de antigos militares que antes fizeram a guerra. Hoje eles têm rendimentos para viver com dignidade, as suas casas e já estão a executar outros projectos.

JA - Que reajustes devem ser feitos no Projecto Aldeia Nova?

SP -
É preciso reajustar a sua organização e funcionamento. O Aldeia Nova é um projecto agro-pecuário. O Projecto Terra do Futuro ainda é somente agrícola, mas pode evoluir também para a pecuária.

JA - Para quando a conclusão da estrada entre os municípios da Quibala e Mussende?

SP -
A estrada da Quibala a Mussende até ao desvio de acesso ao Projecto Terra do Futuro é uma estrada terciária, cuja responsabilidade é do Governo Provincial. Há dias, estivemos a conversar com os promotores do projecto para vermos como podemos enquadrar os 22 quilómetros do desvio da estrada Quibala-Mussende até ao projecto. O importante é que o troço Cariango-Mussende está a ser reabilitado, depois vamos ver como enquadrar estes 22 quilómetros do desvio até aqui.  

Tempo

Multimédia