Entrevista

“O que tornará sustentável a integração monetária e económica é o compromisso político expresso pelas políticas orçamentárias”

Gaspar Micolo

O economista e sociólogo camaronês Martial Ze Belinga está, a par de outros pesquisadores, entre os que revelam as injustiças do franco CFA. Co-autor do livro “Sortir de la servitude monétaire. A qui profite le franc CFA ?”, o membro do comité científico da UNESCO para a História Geral de África revela, em entrevista ao Jornal de Angola, que o projecto que a França pretende fazer aprovar para a moeda regional da África Ocidental é diferente do ECO original. “Se ele nascesse, esse ECO-CFA, seria fixado ao euro, o que significaria que a política monetária permaneceria inalterada”, diz o investigador, que se dedica igualmente à economia da cultura. Em relação às críticas sobre as questões de disciplina monetária e financeira, revela que podem convergir depois, devido a regras e interacções comuns entre as economias dos países membros da CEDEAO.

Fotografia: DR

A França aprovou o fim do Franco CFA, que muda o nome para ECO. O texto determina o fim da centralização das reservas cambiais dos Estados da União Monetária da África Ocidental (UEMOA) para o Tesouro Francês, mas também especifica que o Eco mantém a paridade fixada com o euro. É isso que esperava?

A reforma em curso do franco CFA é iniciada pela França, de acordo com o que pode ser deduzido das observações feitas pelo Presidente do Benin, Sr. Patrice Talon, em 7 de Novembro de 2019 (França 24 e RFI), e pela intervenção do Presidente francês, em 21 de Dezembro de 2019, em Abidjan (respostas às perguntas dos jornalistas). Portanto, seria surpreendente se o Governo francês não aprovasse a sua própria proposta de reforma. A história monetária dos países africanos deve ser escrita por e de africanos, isto é, com relação a suas realidades, projectos, interesses, interacções e interdependências conscientes no âmbito da economia mundial. Deste ponto de vista, o projecto para a criação de uma única moeda da África Ocidental pela Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) parece mais natural e mais legítimo, nascido em 1983, adoptado pelos 15 países africanos envolvidos e impulsionado pela dinâmica da integração continental da União Africana. Parece-me que é essa integração que é o vector endógeno da transformação monetária e económica sub-regional, especialmente porque a CEDEAO já é uma união aduaneira com uma certa mobilidade geográfica interna dos actores económicos. O “ECO-CFA” (como o chamamos para diferenciá-lo do anterior), que é o assunto do projecto de lei do Governo francês, é posterior e acima de tudo diferente do projecto ECO original. De facto, se ele nascesse, esse ECO-CFA, seria fixado ao euro, o que significaria que a política monetária permaneceria inalterada. No entanto, este é um aspecto consensual de todas as críticas à zona do Franco que seriam paradoxalmente mantidas, a sua rigidez, a sua falta de flexibilidade, em comparação com as economias africanas tornadas de facto dependentes dos ciclos económicos das economias da União Europeia.

Muda pouca coisa na política monetária...

A deslocalização de reservas africanas da “conta operacional” do Tesouro francês era um antigo pedido africano, mas com ela o fim da “garantia” da moeda por um terceiro Estado, neste caso o Estado francês. Essas duas expectativas eram sinónimos de maior independência monetária. No entanto, a reforma anunciada, que não se refere à política monetária, mantém a garantia financeira francesa, o que pode nos surpreender. De facto, essa garantia quase nunca foi usada, pois, em última análise, são as reservas africanas que mantêm a paridade da moeda. Da mesma forma, a retirada de membros franceses da governança monetária da África Ocidental seria contra a presença dentro dos órgãos sociais da zona de uma “personalidade independente”, denominada intuitu personae, reconhecida pela sua competência; em caso de crise, a França poderia nomear um representante para este órgão de administração.
O processo institucional pretendia que o projecto fosse adoptado pelo Parlamento francês e, a priori, pelos parlamentos africanos, que, entre outras coisas, têm jurisdição constitucional sobre questões monetárias. Os representantes dos povos africanos afastados das suas prerrogativas monetárias constitucionais devem poder fazer ouvir a sua voz, de acordo com as disposições legais em vigor em cada país. Os detalhes do novo arranjo institucional, no entanto, não são totalmente conhecidos, uma chamada convenção mais técnica deve especificar a operacionalização da garantia francesa.
Se pudéssemos ver como uma cartilha de preparação que deveria vasculhar os aspectos simbólicos rejeitados pelo franco CFA, os “irritantes políticos”, a transformação monetária endógena está apenas na sua infância, seja soberania ou eficiência económica. As moedas africanas de amanhã devem ser pan-africanas (soberanas e unidas), transformacionais (financiando a mudança de paradigma produtivo), alternativas (as moedas podem ser locais, virtuais ...) e holísticas, ou seja, em conexão com as preocupações ambientais, culturais e sociais das pessoas. Uma perspectiva que resumo com as iniciais PTAH.

Sem os elementos da convergência macroeconómica que justificam a transição dos 8 países da zona franca para uma moeda única, e agora com a crise do novo coronavírus, quando ocorre a circulação do ECO?

Eu diria que, no que diz respeito ao processo pan-africano da CEDEAO, as questões de disciplina monetária e financeira são importantes, complexas e intricadas em outras. Temos que ter cuidado para não as tornar absolutas, porque uma zona pode convergir depois de ter sido criada, devido a regras e interacções comuns entre as economias dos países membros. O que realmente tornará sustentável a integração monetária e económica é o compromisso político expresso, em particular, pelas políticas orçamentárias que possibilitam a manutenção de uma área económica viável. Um país como os Estados Unidos da América usa a mesma moeda para 50 Estados economicamente heterogéneos. Alguns Estados produzem petróleo, outros contam com serviços de alto valor agregado, tecnologia de ponta e ciclos económicos que não convergem necessariamente. É o apoio à economia pelo orçamento federal do estado que produz coerência e coesão. Isso é chamado federalismo orçamentário.
Na minha opinião, portanto, seria necessário trabalhar para uma certa convergência monetária, mas sobretudo para uma dimensão do federalismo orçamentário na transição para uma moeda comunitária. É provável que a situação de pandemia adie o projecto, pois traz novas incertezas e riscos, retarda o crescimento, diminui os preços das commodities, aumenta a pressão da dívida, com a consequente tensão das moedas. É necessário trabalhar no controlo cíclico da situação gerada pela Covid-19, ao mesmo tempo em que acelera os preparativos teóricos e institucionais para o Pós-Covid, que deve ser um kairos (momento certo), uma oportunidade para uma reflexão e uma pausa preparada.

Com estes constrangimentos que acaba de lembrar, alguns países revelam que não será possível até 2022. Como isso funcionará na prática?

Qualquer consideração do calendário é actualmente especulativa. Vários países da CEDEAO, incluindo a Nigéria, anunciaram, antes da pandemia, que o ECO não poderia ver a luz do dia em 2020, devido aos atrasos na harmonização e ao processo de convergência. Quanto ao processo iniciado pela França e pela UEMOA, está sujeito, a priori, a um processo de ratificação parlamentar na França e nos oito países da África Ocidental. Tantos passos por enquanto num horizonte incerto. O projecto de lei propõe que a retirada de reservas seja para o benefício do banco central dos Estados da África Ocidental (BCEAO) que o administraria. O projecto não fala sobre como as contas seriam fechadas, nem como, concretamente, a França, que se tornaria o “garante financeiro”, continuaria a acompanhar a evolução das reservas deslocalizadas para avaliar a exposição do seu risco. Uma convenção técnica deveria posteriormente resolver essas questões, o que significa que os parlamentos poderiam ser chamados a ratificar um texto incompleto ... Parece que, a partir dos elementos da linguagem das autoridades francesas, os países da UEMOA poderiam adoptar o seu ECO (ECO-CFA). Então, quando os outros países (não CFA) da CEDEAO estivessem prontos, todos escolheriam um ECO cujo conteúdo deveria ser discutido. O ECO original não será vinculado ao euro e não será fixado ao contrário do ECO-CFA, o que dá a impressão de que a proposta da França e da UEMOA é muito diferente, se não antagónica, à da CEDEAO. Isso anunciaria um processo menos linear do que pareceria à primeira vista.

Como você vê o papel da Nigéria, que representa cerca de 60% do PIB da África Ocidental no processo?

A Nigéria é o líder natural da integração da África Ocidental. Co-fundador da CEDEAO com o Togo, em 1975, é a maior economia do continente em tamanho de PIB e poder demográfico, ou seja, tanto a oportunidade de um vasto mercado potencial para os outros países da África Ocidental quanto um grande produtor com uma sólida estrutura comercial. Seria o principal integrador da região da África Ocidental, com o Ghana e a Costa do Marfim, já que a sua capacidade de fornecer liderança esclarecida e responsável pode acelerar e aprimorar a promessa de integração em benefício do povo. É o país que deve dar o tom, sem parecer hegemónico, porque tudo acontece como se certas elites que se apresentassem como “francófonas” fossem “treinadas” numa forma de “nigeriafobia”, inclinando-se voluntariamente a ditados externos e mostrando-se contra potências africanas. É uma chance de ter um país grande no centro de um espaço que está a ser integrado, o que pode estimular incentivos para as empresas investirem no espaço comunitário.

No seu livro “In-Dépendances: Discours sur le colonialisme après la colonie”, argumenta que se há uma área em que os africanos não se afastaram radicalmente do domínio colonial seria a economia, do ponto de vista estrutural. Como mudar isso?

A dominação colonial em questões económicas, ou mesmo colonialidade económica, foi o objecto e o resultado do longo processo de transformação das sociedades africanas em armas, terras, solos, subsolos e, acima de tudo, seres humanos escravizados pela prosperidade e interesses coloniais. África tornou-se a simples extensão geo-humana da vontade de poder da Europa, o recurso permanente que atende às necessidades astronómicas das metrópoles: construção das Américas, esforços de guerra e reconstrução pós-guerra, suprimentos de energia... A consequência foi a desindustrialização da África colonizada, com o enfraquecimento dos sectores de excelência: têxtil, artesanato, agricultura de subsistência, serviços endógenos (medicina, educação, arquitectura, ...). Afirmar que alguém está ciente desse estado de coisas e buscar estratégias exclusivas e empobrecedoras para a exportação de matérias-primas é uma contradição flagrante. O que é necessário, presumivelmente, é um choque cognitivo. Uma mudança radical nas representações usuais da economia e da riqueza é essencial. Entender que uma década de crescimento africano trouxe quase nada de substancial nas condições de vida da maioria das pessoas, tão pouco em transformação de dispositivos produtivos, muito pouco na redução do subemprego juvenil. Deveria ser mais compreendido que “exportar” madeira bruta selvagem, por exemplo, é um empobrecimento, o desmatamento, sendo uma perda infinita de biodiversidade, um esmagamento das populações indígenas e o desaparecimento do seu conhecimento milenar. É através deste trabalho de “tradução” que não confundiremos a instalação de uma plataforma de extracção de petróleo com uma virtuosa “importação africana”, como aparece nas nomenclaturas comerciais. A partir desse entendimento decifrado da colonialidade económica, uma construção endógena da economia permitirá descolonizar as estruturas estabelecidas por cinco séculos. A dimensão intelectual não será suficiente, é provável que seja necessário o compromisso voluntário de uma classe de elite investida em acções de transformação económica. Angola e a história do Reino do Kongo são esclarecedoras a esse respeito.

Como?

Subjugado pelos colonos e missionários a partir do século XV, Kongo tornou-se gradualmente um fornecedor de trabalho escravo para as Américas. Hoje, Angola, seguindo esse “modelo” e apesar dos seus esforços, é um fornecedor importante de hidrocarbonetos em condições que elevam os padrões de vida das populações bastante difíceis. Os países recém-industrializados construíram essa colonialidade preexistente nas suas relações com África, que agora também lhes fornece matérias-primas essenciais para implantações industriais.

E como mudar isso, afinal?

A mudança virá da ruptura com esse modelo, esse paradigma de colonialidade económica (e monetária). Também dependerá de acções estatais programadas, planeadas de maneira flexível para uma transformação produtiva endógena, visando a auto-suficiência em bens colectivos e serviços essenciais: alimentação, saúde, conhecimento, educação, infra-estrutura. Essa é uma reflexão poderosa que deve ser útil para resolver essa questão, porque os contextos industriais contemporâneos não são mais os das revoluções industriais passadas; daí em diante, a economia internacional é segmentada em cadeias globais de valor, na troca de bens inacabados (bens intermediários, componentes, ...) são muito importantes, a fabricação de um bem pode envolver dezenas de países. Além disso, a descarbonização necessária das economias sugere que os países africanos beneficiariam de abordagens ecológicas, como a agroecologia, usando o seu potencial de biodiversidade, visando actividades de valor agregado e serviços tecnológicos, porque a população jovem é muito tecnófila e inovadora, por causa de muitos racionamentos. Uma economia internacional de recuperação, montagem e tecnologias intermediárias também é possível, dependendo do país. Uma nova matriz de política económica deve ser imaginada, tendo como critério de desempenho a transformação económica, taxa de industrialização, diversificação e sofisticação das exportações, participação em cadeias regionais e globais de valor, ampliação da base produtiva, segurança alimentar, etc. Tudo isso ocuparia um lugar de destaque na governança económica.

Há sinais positivos em alguns sectores que podem ser exemplos para a industrialização em África?

Como ponto de partida, devemos poder partir de necessidades essenciais e cruzá-las com recursos endógenos que possam gerar vantagens comparativas e competitivas. Em termos de recursos, o vasto campo de conhecimento endógeno e tradicional, como a farmacopeia, poderia ter permitido a África garantir melhor a sua segurança sanitária e desempenhar um papel de liderança na produção mundial de medicamentos. Diferentes regiões de África dominam técnicas comprovadas nas áreas de têxteis e cosméticos. O sector de exportação de manteiga de karité desenvolveu-se, deixando o continente como fornecedor de matérias-primas, enquanto os produtores poderiam ter participado do sector de cosméticos e cabelos, uma vez que é um conhecimento africano antigo. A agricultura deve concentrar esforços significativos: a agricultura de alimentos, especialmente, porque o continente não garante a sua segurança alimentar, enquanto milhões de hectares de terras cultiváveis estão disponíveis. Pouca gente sabe que o arroz produzido nos Estados Unidos, com a famosa marca “UncleBen's”, é um conhecimento originário da África Ocidental durante o comércio de escravos. O mesmo vale para as nozes de cola consumidas há muito tempo no continente como estimulante, “exportadas” para as Américas no século XIX, antes de serem usadas no refrigerante mais famoso do mundo, “Coca Cola”!

Muitas áreas que podiam ser promovidas...

Claro. Por isso, os sectores de educação e pesquisa devem ser tratados com especial atenção, certamente dotados de mais meios, mas, acima de tudo, transformados qualitativa e filosoficamente. O conteúdo da educação deve tender a formar consciências africanas éticas, emancipadas, enraizadas e empreendedoras, o que não é o caso dos resíduos das escolas coloniais ou confessionais. Com bastante luz do sol, as indústrias de energia solar, por exemplo, poderiam ser integradas ao “mix” energético africano. Por outro lado, a juventude do continente permite a adopção rápida de novas tecnologias. “Hubs” de desenvolvimento de aplicativos e uma economia digital são possíveis com base em dados demográficos favoráveis. Países como Cuba são campeões na arte de reutilizar, podemos pensar na montagem/assemblage de produtos manufacturados, serviços de terceirização remota, uma economia circular eficiente.



“O problema da dívida é, acima de tudo, que o seu retorno social não foi comprovado e que os riscos de re-endividamento são sempre prementes”

O senhor defende que o actual modelo de desenvolvimento (que depende de mercados estrangeiros, volatilidade de preços) nunca permitirá uma redução suficiente da dívida, nem financiar as necessidades mais importantes.

A primeira década do século XXI na Europa é uma ilustração perfeita da insustentabilidade dos modelos de desenvolvimento africano e dos seus becos sem saída. De facto, a África bateu recordes mundiais de crescimento sem reduzir o seu nível de desemprego juvenil, nem a sua dívida, pelo contrário, nem as suas extremas dificuldades sociais. Isso ocorre no momento em que as taxas de juros estão mais baixas, embora continuem as mais altas para África. Há provas de que essa estratégia, mesmo que gere crescimento (principalmente pela graça da demanda asiática ou de empréstimos internacionais), não induz dinâmica de desenvolvimento auto-sustentável. Exportar produtos brutos comprados de volta na forma de produtos manufacturados é uma coisa perdida a longo prazo, pois os produtos manufacturados que incorporam novas tecnologias tendem a ser mais caros, degradando os termos de troca. Como os preços das matérias-primas dependem da conjuntura de mercados estrangeiros, estratégias oligopolistas ou cartéis (petróleo), os países africanos são tomadores de preços e sofrem aumentos e reduções descontrolados de preços.

E as consequências são muitas...

A primeira consequência é a dificuldade de manter uma trajectória necessária de investimento público (infra-estrutura), os orçamentos dependentes de factores voláteis (preços de commodities, demanda externa) e a capacidade de limitar fluxos financeiros ilícitos. O financiamento de investimentos em transformação pode tornar-se irregular e desequilíbrios orçamentários regulares com necessidades crescentes (demografia). Tudo acontece como se quiséssemos construir uma casa para a qual estabelecemos (também) rapidamente o custo, sem ter diminuído a certeza sobre a rendimento que nos permitirá pagar os custos de construção. Certamente, temos o direito de acreditar na intercessão dos antepassados, mas mesmo assim... É o ganho em valor agregado produtivo e institucional que enriquecerá o conteúdo da produção, exportação, redução de importações substituíveis e melhorar as receitas fiscais. Deve-se dizer, no entanto, que o problema da dívida é, acima de tudo, que o seu retorno social não foi comprovado e que os riscos de re-endividamento são sempre prementes, revelando-se um modelo impossível. Mais do que dívida, o modelo actual não pode cuidar do crescimento demográfico africano e das suas necessidades mecânicas, subutiliza recursos humanos, culturais e criativos, destrói recursos naturais, riqueza potencial e futuro, enquanto nutrir as elites rentistas em última instância, jogando contra o futuro comum.

É a velha lógica da “cópia do desenvolvimento” como obstáculo em si e a África a revelar a necessidade de se reinventar com seus recursos endógenos.

Eu acho que, obviamente, existem problemas na aplicação de estratégias, fragilidades institucionais e na interacção da lógica do cliente na gestão de bens comuns com as consequências catastróficas que conhecemos. Há também uma dimensão de lógica e inteligência. A ideia principal “de” desenvolvimento/subdesenvolvimento repousa sobre um fundamento de certezas que foram fixadas nos anos 1940-1960, institucionalizadas, popularizadas pelo Governo americano de Truman. O desenvolvimento seria o resultado da transferência bem-sucedida de conhecimento, técnicas e cultura ocidental para aqueles que são despojados de tudo ou quase dos “países subdesenvolvidos”. Essa visão pressupunha que nada poderia surgir localmente, em solo africano, o que provavelmente traria soluções para a melhoria das condições de vida das populações; a salvação viria apenas do Ocidente, da sua imitação mais ou menos feliz. O paradigma de desenvolvimento é intrinsecamente concebido como uma importação, de conhecimento, capital, normas sociais, etc. Essa concepção singular da riqueza das nações combina com toda a história do mundo. Os chamados países industrializados, promotores das ideias de “desenvolvimento”, foram construídos a partir dos seus recursos materiais e imateriais, processos de transformação e empreendimentos comerciais, expansão imaginada por eles e em seu benefício. Eles conseguiram enriquecer-se graças ao trabalho massivo dos seus povos e produtores de conhecimento, graças a todos os “empréstimos”, mas também a todas as predações feitas ao mundo. Não é possível fazer da Europa o ponto zero da experiência humana que a precede na constituição de Estados, civilizações, economias prósperas (Egipto).

Devemos fazer o nosso caminho.

Todos os povos têm uma base da qual vivem, sobrevivem ou implantam. É ainda mais verdadeiro após as longas experiências de subjugação que destruíram, não foram estruturadas, às vezes exterminaram sociedades não europeias. É esse conhecimento que mantém um mínimo de sociabilidade, cultura e economia popular, com sectores resilientes que são inadequadamente chamados de “informais”. É um privilégio inspirar-se e aprender com os outros, no entanto, é a partir de você que os empréstimos necessários localmente são pensados e seleccionados, em relação a valores, projectos e dados do terreno. Entre os povos que se destacam como modelos contemporâneos nesse sentido, podemos citar o Japão. Este país conseguiu a modernização sem ocidentalização real, mantendo as suas línguas, as suas espiritualidades, infundindo nos modernos processos industriais - toyotismo - as suas próprias concepções de frugalidade, precisão, bem a tempo, também abordando as restrições de escassez local.

A China também se posiciona assim...

A China, apesar de rejeitar oficialmente as tradições durante um dos seus episódios históricos muito ideológicos, é construída com recursos próprios: tradições terapêuticas (acupunitura), tradições meritocráticas muito selectivas no recrutamento da elite (mandarim), tradições de construção de monumentos e trabalho, etc. Tantos recursos internos são colocados ao serviço de um ambicioso projecto de modernização e liderança global. Os raciocínios quantitativos e as lacunas de desenvolvimento sempre correm o risco de promover apenas a lógica contábil de recuperar, copiar, imitar o que eu chamo “A epistemologia do bom aluno”. Essa concepção, trabalhada pelas racionalidades identificadas pelo sociólogo gabonês Joseph Tonda como “deslumbrante”, muitas vezes faz dos pensadores ou intelectuais africanos lugares para copiar, fotocopiar, replicar as últimas modas intelectuais ocidentais. Pode-se dizer que uma forma de colonialidade do pensamento opõe-se ao surgimento de abordagens diferentes e inovadoras em favor da emancipação da condição dos africanos no mundo. Esse tipo de posse psíquica gerada pela violência colonial e reproduzida pelas regras de pertença a uma certa elite pós-colonial elimina do campo das possibilidades um conjunto de possibilidades, práticas e empreendimentos económicos. A naturalização da ideia de “desenvolvimento” como cópia está a enraizar-se, com a consequência do que o historiador e teólogo camaronês Engelbert Mveng chamou de “empobrecimento antropológico”, essa perda de significado, dos valores africanos que devem representar o armamento ético e prática de uma transformação.

A mesma lógica de conceitos económicos importados.

É deplorável que os conceitos essenciais de economia política africana traduzidos nos programas nacionais são, portanto, quase todos produzidos fora do continente e geralmente em perspectivas que nada têm a ver com o bem-estar dos africanos. O exemplo mais caricaturado é o conceito de emergência. Foi desenvolvido por um economista financeiro holandês, Antoine Van Agtmael, em 1981, da Société Financière Internationale, uma subsidiária do Banco Mundial. Ele vinha de uma experiência de trabalho no sector bancário da Tailândia, onde descobriu que a rápida industrialização do país exigia muito capital. Assim, deduzia que havia mercados não ocidentais lucrativos para investidores ocidentais, esses eram “mercados emergentes”. Nas suas publicações, Van Agtmael não mencionou a África, excepto a África do Sul. Mas ser um local de alta rentabilidade para finanças ocidentais voláteis não implica necessariamente que o bem-estar das populações seja modificado.

Há mais exemplos?

Como outro exemplo, o acrónimo BRIC que se tornou BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul) foi cunhado em 2001 pelo economista britânico Jim O´Neill, do banco de investimentos Goldman Sachs. O mesmo vale para a ideia de “Africa Rising” dos anos 2000, proveniente de empresas de pesquisa, imprensa económica, instituições financeiras e todos os ocidentais. A confusão é para os africanos pensarem e agirem como se os conceitos económicos desenvolvidos pelos círculos financeiros internacionais em busca de novos segmentos de negócios lucrativos fossem necessariamente benéficos para as economias africanas. No início dos anos 2000, havia expectativas sobre a demografia africana, as “classes médias emergentes” ou “classes flutuantes”, gastos per capita, numa época em que o crescimento do continente era de facto impulsionado pela aceleração industrial de China. Tais previsões só poderiam decepcionar os africanos, porque não se baseavam, desde o início, na transformação das economias africanas, mas na realização dos lucros das empresas ocidentais ou asiáticas. Esse consumo acrítico de conceitos económicos de instituições financeiras internacionais ou empresas de consultoria não africanas encaminha os esforços dos africanos na direcção de interesses que poderiam ser antagónicos ao futuro do continente.

“Covid-organics é útil, traz de volta ao centro dos debates a farmacopeia africana”

A solução de Madagáscar para a Covid-19 trouxe o antigo problema da nossa farmacopeia. Por que estamos a ter problemas para levar as nossas universidades a estudar o potencial terapêutico das nossas plantas?

A farmacopeia africana é identificada há décadas como parte das soluções de saúde no continente. Nos últimos anos, os limites do que é chamado “medicina ocidental” e seu custo social exorbitante pressionam para se reinvestir nos medicamentos alternativos e tradicionais do mundo. Isso representa uma série de oportunidades renovadas para esses serviços tradicionais. Existem, na minha opinião, vários obstáculos para a transição para a universidade, apesar de não ser especialista, só daria sugestões. O primeiro diz respeito aos complexos de inferioridade dos profissionais e tomadores de decisão africanos, que, geralmente, confiam nas soluções africanas apenas por padrão. Os reflexos naturais da lógica do desenvolvimento consistem no princípio da importação.

Falta vontade política dos líderes africanos.

E sem vontade política será difícil avançar nessa questão e em tantas outras. Então, deve-se entender que a aproximação entre terapeutas tradicionais e cientistas contemporâneos não é fácil. De facto, as suas abordagens às vezes podem opor-se a pontos sensíveis, como a ética da transmissão (iniciação versus ensino aberto), a modificação do conhecimento ou validação de protocolos. No entanto, vários países estão a desenvolver protocolos de trabalho que reúnem cientistas e curandeiros tradicionais (Ghana, Costa do Marfim, Camarões, África do Sul, etc.), com resultados encorajadores. Você ainda deve ter em mente que a indústria farmacêutica é uma das mais rentáveis do mundo e não tem necessariamente interesse em ver produtos da farmacopeia africana a competir com os “blockbusters” ocidentais. No entanto, a pesquisa é financiada por esses grandes laboratórios internacionais e os seus interesses predominam, ou seja, os seus medicamentos e as suas soluções. A isto podemos acrescentar que as dificuldades de proteger o conhecimento africano, muitas vezes tradicionais, comuns a grupos de identidade, limitam o interesse de certos pesquisadores, melhor compensados pela pesquisa clássica e pelos direitos de propriedade individuais. Parece-me que uma conscientização nos níveis mais altos das elites africanas poderia promover a integração de medicamentos tradicionais do continente na universidade e na pesquisa de soluções endógenas de saúde africana. É nesse sentido que a iniciativa malgaxe da Covid-organics é útil, traz essa questão de volta ao centro dos debates, quando vários líderes políticos da década de 1960, por convicção ideológica complexa ou modernista, condenaram a farmacopeia e os medicamentos tradicionais.

Tempo

Multimédia