Entrevista

“Os pais são os parceiros fundamentais na educação”

Rodrigues Cambala

A primeira Escola Americana em Angola abre  já em Setembro deste ano. Com um projecto orçado em mais de cinco milhões de dólares, a escola vai contar com dois pólos, um no Talatona e outro no centro da cidade.

Fotografia: Mota Ambrósio | Edições Novembro

O director executivo da escola, Marcos Agostinho, disse, em entrevista ao Jornal de Angola, que o currículo é americano e  vai ser adoptado o ensino híbrido. Afirmou ainda que, sem afectar o currículo, pensam encaixar a disciplina de História de Angola ou de línguas nacionais.

Como está a decorrer o processo de implantação da Escola Americana em Angola, que tem prevista a sua abertura  para o mês de Setembro?

Já estamos no processo final. E agora estamos a realizar as inscrições. Os professores norte-americanos chegam ao país em meados de Agosto, para começarem a leccionar a partir de Setembro. Estamos a utilizar o sistema de ensino americano. O currículo académico é do ensino secundário da Calvert. A Calvert é uma instituição norte-americana do ensino secundário com o currículo aprovado pelo Departamento de Educação norte-americano. O currículo deles é leccionado em 50 Estados norte-americanos e em mais de 90 países. Inclusive, figuras norte-americanas já estiveram a leccionar no sistema da Clavert. O Presidente Obama foi uma dessas pessoas.

O que almejam?

Não almejamos simplesmente o ensino secundário, que é concluído no décimo segundo ano. Estamos em parceria com universidades dos Estados Unidos da América, para que os nossos alunos do décimo primeiro e décimo segundo ano possam já começar a tirar cadeiras do ensino universitário, caso o aluno queira vai ter essa possibilidade. Este é um tipo de educação contínua. Quando o estudante terminar o ensino secundário, já tem créditos para poder entrar numa das doze universidades com quem vamos trabalhar.

Porque é que  a escola vai adoptar o sistema de ensino híbrido e não o tradicional?

O ensino híbrido é muito defendido. Tem um aprendizado individualizado, porque dá resposta ao aluno de forma individual. O ensino tradicional é um ensino que apresenta os seus desafios. Com a evolução da educação, este ensino faz recurso às  tecnologias. Isto é algo que, há cinco anos, não era possível falar em Angola, infelizmente, porque ainda não tínhamos tecnologia com rapidez que nos podia permitir o acesso ao conteúdo. Mas, hoje, com a tecnologia que está avançada, consegue-se ver um filme com rapidez como se estivesse a ver pela televisão. O aluno vai ter acesso aos conteúdos académicos por via das tecnologias de informação e comunicação de forma individualizada. Este tipo de ensino visa responder muitos impasses que o ensino tradicional não consegue dar.

Quais são as outras vantagens?


A vantagem principal é a forma como os alunos têm acesso às aulas. Primeiro, porque é individual. Este ensino não é um monólogo. É uma interacção, diferente do ensino tradicional, onde temos o professor a falar sem formas de interacção. Aqui, vai ter o feedback permanente entre o professor e o aluno. No aprendizado híbrido, trazemos diferentes tecnologias que serão disponibilizadas e aplicadas. Portanto, as vantagens são enormes. Segundo, o aluno vai fazer a seu tempo. Nós vamos simplesmente ter os métricos para averiguar se ele está dentro daquilo que se considera padrão. Não queremos ter um aluno a navegar na auto-estrada a uma velocidade de 20 km/hora, quando todos os carros estão a ir a 60. Se a estrada permitir ir a 120, vamos permitir que vá. A vantagem do híbrido permite à pessoa estudar sem prejudicar o seu colega. O aluno faz as coisas conforme a sua capacidade e potencialidade.

Como deve funcionar o papel dos professores?

Neste sentido, o estudante nas nossas classes acede ao currículo através do seu computador em casa. Tem a presença do professor americano disponível online que interage com o aluno ou através de e-mail ou vídeo-conferência e áudio-conferência, isto é, sempre que quiser expor alguma coisa.

Que interacção o professor e o aluno vão ter nas aulas em turmas?

A sala de aulas é importante. A sala de aulas foge do tradicional. É muito orgânica pela forma do aprendizado. Há-de haver sessões em que os alunos vão estar de forma individual, outras vezes colectiva e em forma de conferência. As nossas salas estão preparadas organicamente para os móveis serem flexíveis e adaptáveis à circunstância da lição, o que é praticamente aquilo que se utiliza nas universidades. As mesas encaixam-se umas às outras, podem ser separadas e o espaço é aberto.

Como vão os pais encaixar-se neste processo?

Na educação, os pais são os parceiros fundamentais. As ferramentas existem para que os pais tenham um pulso maior na educação dos filhos. Os pais têm a mesma ferramenta para interagirem com os professores e podem aceder online e acompanhar com exactidão o que o filho está a fazer. Toda a interacção académica que o filho está a fazer é exposta. O pai tem o portal e vai aceder com uma senha e, ao fazer isso, consegue ver o progresso que o filho está a ter em cada uma das disciplinas. A comunicação existirá  entre o professor e aluno, para que haja um gráfico de entendimento. Mesmo com a ocupação, os pais vão ter acesso aos trabalhos de casa do filho e a tecnologia permite-lhes acompanhar. Se quiser dar um feedback com o professor pode enviar um e-mail.

  “Alunos ligam os computadores e começam as aulas”

Como vai ser a carga horária?

Estava a falar em tempos com uma senhora que mora no Talatona e os filhos estudavam na Escola Francesa e tinha de sair às cinco horas com as crianças, por causa do trânsito. O ensino híbrido vai ajudar neste sentido. Para aqueles pais que precisam de uma maior flexibilidade, temos um programa “sem fronteiras”. A aula inicia às sete horas, mas as crianças deste processo não precisam estar a esta hora na escola. No ensino tradicional, se não entra àquela hora já começa a perder tudo. No nosso sistema, como é um aprendizado híbrido, o aluno que chegue duas horas depois não vai prejudicar o colega que chegou primeiro. O aluno que chegar às 8 horas liga o seu computador e começa a sua aula. A diferença é que frequentam a mesma classe, mas cada um vai ter um horário diferente de saída. Isto é para darmos um mínimo de horas para aquela criança que não pode chegar cedo. Quando pensamos nisso é para podermos melhorar a qualidade de vida das pessoas. Sinceramente, é preciso a criança ser corajosa para sair às 5 horas de casa para dar o seu melhor na escola. De qualquer forma, vamos ter duas escolas, uma no Talatona, outra no centro da cidade.

De que forma as três componentes do ensino híbrido vão funcionar?

Vamos funcionar com as componentes de  tecnologia, nomeadamente a realidade virtual, argumentada e colaborativa.  O aprendizado colaborativo é específico, pois  permite às diferentes pessoas colaborarem com o professor sem limite físico. Podemos ter o professor na sala de aula e ter outros alunos noutros pontos. O aluno pode fazer a sua tarefa, mas visualizando o que os outros estão a fazer. O professor tem a possibilidade de ver no ecrã  o que cada aluno está a fazer, e de forma interactiva no painel, e poder fazer as devidas correcções em tempo real. Existe software que permite este tipo de aprendizado. Realidade virtual é outro elemento.

Perfil
Marcos muzangu
da Silva Agostinho
Idade
45 anos
Estado civil
Casado
Filhos
Quatro
Formação
Gestão de Negócios
Actividade
Gestão de participações


Tempo

Multimédia