Gente

O outro lado da Gente: Artur Alves

O convidado desta semana é um rosto conhecido da nossa praça futebolística. Artur Carvalho Baptista Alves passeou classe pelas diferentes formações desportivas do país, como a Académica do Lobito, o Interclube e Recreativo da Caála. Nascido no dia 19 de Fevereiro de 1989, o Vado, como é carinhosamente tratado, desvendou à rubrica “O Outro Lado da Gente” alguns pormenores da sua vida pessoal, quer como futebolista quer como responsável de marketing de uma agência de moda.

Fotografia: DR

Nome: Artur Carvalho Baptista Alves.

Data de nascimento: 19/02/1989.

Naturalidade: Benguela.

Filiação: António Alves
e Luísa Baptista.

Calçado:Ténis.

Ocupação:Responsável de comunicação e marketing
de uma empresa de modelos.

Estado civil: Casado.

Filhos: Dois filhos.

Sonhos: Um dia ter novamente a minha família toda reunida/unida.

Sente-se realizado? Satisfeito com o que tenho concretizado, mas almejo alcançar mais objectivos.

Tem carro próprio? Tenho sim.

E casa? Tenho sim.

Como se veste de segunda à sexta-feira? Gosto de um estilo mais desportivo, mas o trabalho obriga-me a estar socialmente “bem vestido”.

E aos fins-de-semana? Sempre que possível, calções e chinelos.

Faz uso de roupa de marca? Não preferencialmente... é relativo.

Cor preferida? Preta.

Qual é a marca do perfume que usa? Bulgari.

Acredita em forças ocultas? Respeito.

Alguma vez foi aliciado? Felizmente não.

Como reagiu? Como nunca tive uma experiência do género, é difícil falar.

Onde passa as férias?Em Portugal.

Cidade preferida? Benguela.

Virtude: Persistente.

Defeito: Teimosia.

Vício: Desporto.

Livro: “As palavras que eu nunca te direi”

Escritores: Nicholas Sparks e Augusto Cury.

Uma boa companhia: A minha esposa.

Músicos: Anselmo Ralph, Mariza, Michael Bolton, Lucky Daye, Chris Brown e Marília Mendonça.

Comida: Bacalhau à Gomes de Sá.

Bebida: Água.

Sabe cozinhar? Muito pouco.

É ciumento? Sim. Um ciúme saudável.

Desporto: Futebol.

Clube: Sporting.

Alguma vez mentiu? Sim.

Já foi enganado? De alguma forma, sim.

Ano que mais o marcou? 2014.

Porquê? Muitos acontecimentos, muitas mudanças, pessoais e profissionais.

Deputado ou ministro, qual dos dois cargos escolheria? Deputado.

Porquê? Por ter a capacidade directa de influenciar nas decisões do país. Oportunidade para mudar o curso dos acontecimentos de forma positiva.

O que acha da corrupção? Repugno por completo. Embora haja em todo o mundo, devemos todos fazer um pouco para continuar a lutar contra.

Homossexualidade: Respeito.

Poligamia: Respeito.

Tempo

Multimédia