Gente

O outro lado da GENTE: Diogo Marques

É funcionário sénior numa instituição bancária em Luanda. Diogo Borges revela-se uma pessoa discreta e batalhadora, mas não revela os seus sonhos. O livro Undengue, de Jacinto de Lemos, é o seu predilecto e cita os Jovens do Prenda como exemplo de boa música. Elege a família sua melhor companhia e o ano em que recebeu a primeira filha, 2003, o seu predilecto, na medida em que, diz, tal acontecimento fez começar a sua história como homem.

Fotografia: DR

Nome? Diogo Marques Borges.

Data de nascimento? 6 de Novembro de 1982.

Naturalidade? Luanda.

Filiação? Bartolomeu Borges e Margarida José Marques.

Calçado? 42.

Ocupação? Funcionário bancário.

Estado civil? Casado.

Filhos? 5.

Sente-se realizado? Não. O ser humano é um ser insatisfeito por natureza.

Tem carro próprio? Sim.

E casa? Sim.

Como se veste de segunda a sexta-feira? Estilo social (fato e gravata).

E aos fins-de-semana? Sinto-me muito à vontade de calções, curtos, preferencialmente, chinelas e camisola.

Faz uso de roupa de marca? Depende do conceito de marca. Tenho o hábito de usar aquilo que me fica bem.

Cor preferida? Azul.

Qual é a marca do perfume que usa? Narciso Rodrigues.

Acredita em forças ocultas? Sim acredito.

Alguma vez foi aliciado? Já.

Como reagiu? Ignorei.

Onde passa as férias? Sempre que posso em casa, em Luanda.

Cidade preferida? Huambo.

Virtude? Perseverante.

Defeito? Teimoso.

Vício? Não acredito que seja viciado em alguma coisa.

Escritores? Jacinto de Lemos, Barack Obama, Idelberto Cheavenato. Livro? “Undengue”, de Jacinto de Lemos. Retrata a Luanda do antigamente, de uma forma muito humorada.

Uma boa companhia? A família.

Músicos? De ouvidos abertos, ouço um pouco de tudo, desde o agrupamento Jovens do Prenda ao grupo Kassav.

Comida? Funge com peixe seco frito e molho de sumate.

Bebida? Água e cerveja.

Sabe cozinhar? Não.

É ciumento? Não.

Desporto? Basquetebol.

Clube? Grupo Desportivo 1º de Agosto (Angola) e Golden State Warriors (NBA).

Alguma vez mentiu? Já.

Já foi enganado? Sim.

Quem nunca foi?

Ano que mais o marcou? 2003.

Porquê? O ano em que recebi a minha primeira filha. Ela fez começar a minha história como homem.

Deputado ou ministro, que cargo escolhia? Deputado.

Porquê? Gostava de mudar algumas coisas que não estão bem neste país, apesar de nunca ter desejado ocupar posições políticas, por serem temporárias e de conveniência.

O que acha da corrupção? Um mal que deve acabar. É a principal causa da pobreza em vários países do mundo.
Homossexualidade? Respeito. As pessoas são livres de serem o que quiserem.

Poligamia? Faz parte da cultura africana, por isso também a respeito.

Tempo

Multimédia