Gente

O outro lado da Gente | Dino Ferraz Albino

canção luanda

Dino Ferraz Albino ganhou notoriedade nas lides musicais como o vencedor da décima oitava edição do Festival da Canção de Luanda. Com um percurso jovem, o exímio intérprete da composição “Saber amar”, da autoria de Totó, aos 28 anos, alimenta muitos sonhos, dentre eles ver os filhos formados e, enquanto artista, ter reconhecimento a nível nacional e internacional. Tem no preto a sua cor predilecta. Eis aqui o outro lado de Dino Ferraz Albino.

Fotografia: Dombele Bernardo

Nome: Dino Ferraz Albino.
Idade: 28 anos.
Data de nascimento: 19 de Abril de 1988.
Calçado: 39/40.
Ocupação: Músico profissional.
Naturalidade:Ingombota (província de Luanda)
Estado Civil: Casado.
Filhos: Um filho.
Sonhos: Muitos. Ver os meus filhos formados e enquanto artista ter um reconhecimento  maior a nível nacional e internacional, compor e gravar temas e discos que alcancem patamares altos.
Sente-se realizado: Ainda não.
Tem carro próprio: Também não.
E casa: Idem.
Que importância têm as mulheres para si: Muita. Possuem milhares de virtudes entre elas o poder de gerar vidas.
Como se veste de segunda a sexta-feira: Formalmente.
Aos fins-de-semana: Depende da ocasião.
Usa roupa de marca: Uso sim, desde que me fique bem.
Qual a sua cor preferida: Preta.
A marca de perfume que usa: Giorgio Black.
Acredita em forças ocultas: Sim.
Como reage a elas: Mostrando que não têm poder nenhum sobre mim.
Onde passa as férias: Em Angola.
Cidade predilecta: Luanda.
Virtudes: Dou apenas o que me dão.
Defeito: Dou apenas o que me dão.
Vício: Perfeccionista.
Ídolo: Nenhum.
Livro: “A bagagem dos viajantes” da autoria de Koichi Kimura.
Escritor: António Agostinho Neto.
Uma boa companhia: O meu violão.
Músico: Prince.
Comida: Arroz com feijão e peixe.
Bebida: Água.
Sabe cozinhar: Sei sim, mas pratos simples.
O quê por exemplo: Sopas.
É ciumento: Sou, de forma relativa.
O que acha dos homens que batem nas mulheres: Bater em mulheres é uma tremenda covardia.
Desporto: Futebol.
Clube: Petro de Luanda.
Alguma vez mentiu: Infelizmente, já.
Já foi enganadáo: Inúmeras vezes.
Ano que mais o marcou: 2012.
Porquê: Foi o ano em que casei.
O que acha da corrupção:Uma doença crónica, que impede o crescimento equilibrado de uma sociedade.
Homossexualidade: Não apoio e não condeno. Respeito a opção sexual de cada um.
Poligamia:Em Angola, é um crime de acordo o nosso ordenamento jurídico, por isso sou contra. Mas, em países em que é permitido, eu respeito. Afinal, cada país tem a sua cultura jurídica e religiosa e isso deve ser respeitado.

Tempo

Multimédia