Gente

O outro lado da Gente | Fábio Dance

Está registado com nome de Fábio Danilson Mendes Soares, mas é conhecido no seio artístico como Fábio Dance. É um dos integrantes do grupo musical "The Groove". Começou como bailarino, hoje, é um músico que tem vindo a conquistar o seu espaço no mercado artístico angolano.

Fotografia: Edições Novembro |

 Apreciador de Yuri da Cunha, Fábio Dance disse ter a mulher como tudo na sua vida, pois sem elas não se consegue alcançar determinados objectivos. "E, como se não bastasse, ainda nos proporcionam muita felicidade dando-nos os filhos". Leia algumas das dicas sobre a vida íntima de Fábio Dance.

Nome?
Fábio Danilson Mendes Soares "Fábio Dance".

Idade? 31 anos.

Data de nascimento? 05/04/1986.

Naturalidade? Luanda.

Estado Civil? Solteiro.

Filhos? Tenho uma filha, a Fabiane.

Calçado? 40.

Ocupação?
Artista. 

Sonhos? Chegar até ao infinito.

Sente-se realizado?
Ainda não.

Tem carro próprio? Sim, tenho.

E casa? Também tenho.

Que importância têm as mulheres para si?
Elas são tudo para nós. Sem elas não conseguimos alcançar determinados objectivos e, como se não bastasse, ainda nos proporcionam muita felicidade e dando-nos os filhos.

Como se veste de segunda a sexta-feira?
Casual.

E aos fins-de-semana? Também.

Usa roupa de marca? Sim, faço uso de roupa de marca.

Cor preferida? Preta.

Qual é a marca de perfume que usa?
Kouros.

Acredita em forças ocultas?
Não, não acredito.

Onde passa as férias? Onde der.

Cidade predilecta? Lisboa-Portugal.

Virtudes? Considero-me uma pessoa de carácter muito forte.

Defeito?
Sou muito teimoso.

Ídolo? Midz Brazuka, o meu colega.

Livro?
A Bíblia. Acho ser o livro dos livros.

Escritor? Óscar Ribas.

Uma boa companhia?
A minha família.

Músico? Yuri da Cunha.

Comida? Bacalhau com natas.

Bebida? Sumo.

Sabe cozinhar?
Não, não sei.

É ciumento? Sim, sou.

Que tipo de desporto mais aprecia? Basquetebol.

Qual é o clube que apoia?
Apoio o 1º de Agosto. Lá fora apoio o Sporting.

Alguma vez mentiu?
Sim, várias vezes.

Já foi enganado?
Sim, várias vezes.

E como reagiu? O tempo determina tudo.

Qual é o ano que mais o marcou? 2010 e 2013.

Por quê?
Porque neste período consegui mostrar o quão capaz sou naquilo que faço, facto que fez com me afirmasse no mercado.

O que acha da corrupção?
Um mal que deve ser combatido.

Da homossexualidade?
Respeito, na medida em que se traduz na escolha das pessoas.

E da poligamia? Para mim é um mal.

Tempo

Multimédia