Gente

O outro lado da Gente | Walter Adriano

Walter Jorge Gomes Adriano, conhecido por Apóstolo Walter Adriano, é pastor de profissão. As suas acções incidem sobre o resgate da boa relação de casais em conflito.

Fotografia: Edições Novembro

Há três anos fundou a Escola de Formação de Casais (Eforcasa), uma associação que tem trabalhado no auxílio dos casais em conflitos. O pastor, que não vai a lado algum sem se fazer acompanhar da sua amada esposa, já salvou mais de mil casamentos que estavam à beira do divórcio. As suas palestras chegam a reunir 250 a 300 pessoas, que o têm como uma grande fonte de conhecimento para melhor gerir o relacionamento a dois.

Nome
: Walter Jorge Gomes Adriano.
Idade: 34.
Data de nascimento: 22/06/1983.
Naturalidade: Luanda.
Estado civil: Casado.
Filhos: 6.
Calçado: 43.
Ocupação: Pastor, teólogo e conselheiro matrimonial.
Sonhos: Ser feliz na vida.
Sente-se realizado? Ainda não.
Tem carro próprio? Sim.
E casa?  Quero construir uma a meu jeito.
Que importância têm as mulheres para si? Sem mulher não se faz nada e não se pode ser homem de verdade.
Como se veste de segunda a sexta-feira?  A rigor.
E aos fins-de-semana?  Alternadamente.
Usa roupa de marca?  Não tem como não usar.
Qual é a sua cor preferida?  Azul.
Qual é a marca de perfume que usa? Paco Rabanne.
Acredita em forças ocultas?  Sei que existem, mas creio em Deus.
Onde passa as férias?  Na Huíla.
Cidade predilecta? Veneza.
Virtudes: Sou determinado.
Defeito: Teimosia.
Ídolo:  Jesus Cristo, o meu Senhor.
Livro: “Bíblia Sagrada”.
Escritor: Benny Him.
Uma boa companhia?  A minha esposa.
Músico? Irmão Kapacata.
Comida?  Feijoada.
Bebida?  Quissângua.
Sabe cozinhar? Um pouco.
O quê, por exemplo? Arroz doce.
É ciumento?  Até certo ponto.
Que tipo de desporto mais aprecia? Futebol.
Qual é o clube que apoia? 1º de Agosto.
Alguma vez mentiu?  Sim. Há muito tempo.
Já foi enganado? Muitas vezes.
E como reagiu? Fiquei decepcionado.
Qual é o ano que mais o marcou? 2005.
Porquê? Casei com meu batom vermelho, a minha esposa.
O que acha da corrupção? É pecado.
Da homossexualidade? A natureza nos dá o sexo e o destino.
E da poligamia? Não se pode servir a dois senhores.

Tempo

Multimédia