Gente

O outro lado da Gente| Mar kafala

Mar Kafala é artista plástica afecta à Brigada Jovem dos Artistas Plásticos. Dedica-se ao ensino de Educação Visual e Plásticas a crianças. A sua veia artística nasce da ligação sanguínea com o malogrado músico Moisés  Kafala, seu pai. Meiga e sorridente Mar sonha ver os filhos bem formados.

Fotografia: Francisco Bernardo| Edições Novembro

Nome: Margarida Dias de Campos.

Idade: 37.

Calçado: 38.

Ocupação: Várias.Estudante, professora e artista plástica.

Naturalidade: Luanda.

Estado civil: Comprometida.

Filhos: Dois (um casal).

Sonhos: Ver meus filhos crescerem e alcançarem sucesso profissional.

Sente-se realizada: Ainda não, mas a  fé em Deus e as minhas acções me fazem acreditar que vou alcançar o sucesso.

Tem carro próprio:
Ainda não.

E casa: Também não.

Que importância têm as mulheres para si: São seres especiais e considero-as superdotadas por natureza. São heroínas, porque fazem tudo a dobrar, comparativamente aos  homens.

Como se veste de segunda a sexta-feira: Sempre gostei de calças, blusas e sandálias.

E aos fins-de-semana: Calças jeans, calções, camisolas e ténis.

Usa roupa de marca: Sim, também, mas não sou fanática.

Cor preferida: Amarela e verde.

Qual é a marca de perfume que usa: One Million (Paco Rabanne).

Acredita em forças ocultas: Sim, mas não me interessa descobrir mais sobre elas.

Se sim, como reage a elas: Sou cristã e apenas rezo.

Onde passa as férias: Benguela.

Cidade predilecta: Lisboa e Cascais.
/>Virtudes: Positivismo.

Defeito: Teimosia.

Vício: Ver programas de televisão.

Ídolo: Deus.

Livro: “Histórias da África Negra”, de Júlio Mendes Lopes.

Escritor: Uahenga Xitu e Mia Couto.

Músico: Boyz II Men.

Uma boa companhia: A minha família.

Bebida: Sumos.

Comida: Muamba de dendém, funji de bagre com feijão e kizaca.

Sabe cozinhar: Sim.

O quê, por exemplo: Feijoada e todos os pratos da culinária tradicional angolana.

É ciumenta: Sou.

O que acha dos homens que batem em mulheres: São covardes, porque as mulheres são frágeis e indefesas, mas a denúncia seria uma das formas de reduzir os casos de violência.

Desporto: Andebol.

Clube: 1º de Agosto.

Alguma vez mentiu: Já sim, mas não leva a lado algum.

Já foi enganada:
Sim, muitas vezes.

Se sim, como reagiu:
Fiquei decepcionada.

Ano que mais a marcou:
2005.

Porquê: Nasceu o meu primeiro filho, foi algo muito especial.

O que acha da corrupção: Um cancro para todas as sociedades.

Homossexualidade:
Respeito, mas acredito que seja escolha e opção das pessoas.

E da poligamia:
Não concordo por achar que seja vaidade dos homens.

Tempo

Multimédia