Gente

O outro lado da Gente|Victor Sampaio

Victor Sampaio é actor e  encenador. Aprendeu a cozinhar graças à mãe. Sampaio responde pelo grupo de Twata Teatro, do distrito urbano do Sambizanga e tem trabalhado arduamente com o objectivo de dar o seu contributo ao desenvolvimento das artes cénicas no país. Gosta de ler obras de Hendrick Vaal Neto e Luís Fernando e encontra no pai o maior entre todos os seus ídolos.

Fotografia: Arquivo do Actor

 

Nome: Victor Sampaio Manuel.                               

Idade:
31 anos.

Data de nascimento:
18 de Janeiro de 1985.

Ocupação:
Actor e encenador. 

Naturalidade:
Luanda.

Estado Civil:
Solteiro.

Filhos:
Três filhos.

Sonhos:
Dar um futuro condigno aos meus filhos.

Sente-se realizado:
Ainda não.

Tem casa própria:
Ainda não.

Que importância tem as mulheres na sua vida:
São fundamentais para o meu equilíbrio psico-emocional e cultural.

Acredita em forças ocultas:
Como africanos que somos, acredito, mas confio em Deus Todo Poderoso.

Cor preferida:
Branco e azul.    

Como se veste de segunda a sexta-feira:
Formal, devido ao trabalho e à faculdade.

E aos fim-de-semana:
Devido à minha actividade nas artes cénicas, principalmente nas horas dos ensaios, uso calções, t-shirts e ténis.

Usa roupa de marca:
Nem sempre. Procuro ser o mais simples possível com as minhas indumentárias.

Qual a marca de perfume que usa:
One Love (Rose).

Onde passa as férias:
Benguela.

Cidade predilecta: 
Minha Luanda, porque em cada esquina e bairro encontramos um mundo no mundo.

Virtudes:
Persistência.  

Defeito:
Teimosia, sobretudo quando julgo ter razão.

Vício:
Teatro. Penso nele 24h por dia.

Ídolo:
Tenho vários, mas o meu pai é o maior deles.

Livro:
"Renúncia Impossível", de Agostinho Neto.

Escritor:
Gosto de Hendrik Vaal Neto e Luís Fernando.

Uma boa companhia:
  As pessoas que estejam dispostas a aprender e a ensinar.

Comida:
Feijoada com bife e batata frita.

Bebida:
Água.

Sabe cozinhar:
Sei, graças à minha mãe. Ela só teve cinco rapazes e quando saía para vender, tínhamos que nos virar na cozinha.

O quê, por exemplo:
Cachupa.

É ciumento:
Muito, porque quando entro para um relacionamento, dou-me por inteiro.

Bate em mulheres:
Já cometi esse erro algumas vezes.

Desporto:
Futebol.

Clube:
1.º de Agosto.

Já foi enganado:
Já.

Ano que mais o marcou:
2015, sem sombras de dúvidas.

Porquê:
Tive muito sucesso profissional e uma perda irreparável. Perdi a minha mãe.

O que acha da corrupção:
Um mal que afunda o nosso país, por isso, devemos combatê-la em todos os sectores sociais.

Homossexualidade:
Não sou contra, mas também não sou a favor. Desde que não prejudique ninguém, cada um faz da sua vida o que bem entender.

Poligamia:
Um mal necessário.

Tempo

Multimédia