Mundo

17 mortos e 30 feridos em combates no sul da Líbia

Pelo menos 17 pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas hoje em combates nos subúrbios do sul de Tripoli, na Líbia, pelas tropas lideradas pelo marechal Jalifa Hafter, um homem forte do país. Fontes militares próximas do governo apoiadas pela Organização das Nações Unitas (ONU) na capital líbia explicaram hoje à agência espanhola de notícias EFE que 14 pessoas sofreram ferimentos graves e que entre os mortos estão quatro milicianos do Exército Nacional da Líbia (LNA), a plataforma de milícias liderada pelo marechal Jalifa Hafter.

Fotografia: DR

Os combates ocorreram na cidade de Tarhouna, um enclave rural estratégico essencial localizado a cerca de 50 quilómetros a sul da capital, no centro de um dos três eixos principais que permitem o acesso a Tripoli. "As tropas de Hafter lançaram um ataque aéreo em Bagtha, que repelimos. Eles estão a enviar reforços da região de Jufrah", no deserto central, alertou a fonte, ligada à operação "Wrath Volcano" coordenada pelo governo.

Os combates intensificaram-se em toda a frente sul de Trípoli desde há dois dias e o LNA anunciou que havia conseguido entrar e instalar-se no bairro periférico de Ghout al Reeh, um dos que abriram a porta ao controle da cidade de Gharyan, essencial para a queda da capital. Hafter, que tem o apoio expresso da Arábia Saudita, França e Rússia, empreendeu uma operação coincidindo com a visita oficial à capital líbia do secretário-geral da ONU, António Guterres, numa mensagem clara à comunidade internacional. Desde então, o conflito custou a vida a mais de meio milhão de pessoas, feriu mais de 5.000 e forçou mais de 20.000 famílias a deixar suas casas e a serem deslocadas internamente.

A Líbia é um estado falido, vítima do caos e da guerra civil, pois em 2011 a NATO contribuiu militarmente para a vitória dos diferentes grupos rebeldes sobre a ditadura de Muammar Kadafi. Como o fracassado plano de paz da ONU de 2015, a Líbia tem dois governos: um reconhecido pela comunidade internacional e imposto em Trípoli e outro sob a tutela de Hafter, um ex-membro da cúpula gadafista que nos anos oitenta foi recrutado pela CIA e que se tornou o principal opositor de Al Gaddafi no exílio. Dezenas de senhores da guerra e milícias de tendências islâmicas radicais dedicadas ao contrabando de armas, pessoas e combustível beneficiam da situação actual.

Tempo

Multimédia