Mundo

Acusações de abusos sexuais embaraçam monges budistas

Depois dos escândalos sexuais, que abalaram a Igreja Católica, chega a vez dos budistas destaparem um pouco os véus e revelarem ao Mundo o mal que lhes vai na alma, igualmente relacionado a abusos sexuais..

Lìder dos budistas também está preocupado com escândalos sexuais dos Lìderes
Fotografia: DR

O grande problema é que, tal como aconteceu com Papa Francisco, a Cúria romana e as elites católicas, também aqui é o chefe máximo, o Dalai Lama, líder espiritual tibetano, que dá a cara e reconhece que sabia do problema há muitos anos.
Foi em Roterdão, na Holanda, onde se encontra em visita, que Dalai Lama, em entrevista à televisão pública NOS, admitiu saber desde os anos 1990 de casos de abusos sexuais cometidos por mestres budistas. O líder espiritual, com 83 anos de idade, disse que, em 1993, chegou a discutir o assunto com líderes budistas ocidentais.
Dalai Lama recebeu há dias testemunhos escritos de 12 supostas vítimas de abusos físicos e psicológicos por parte de vários professores budistas tibetanos. Ele esteve reunido na sexta-feira durante cerca de 20 minutos com quatro representantes do grupo de vítimas, que pediram para que usasse da sua autoridade moral para influenciar a fé.
Na entrevista dada no último sábado, o Dalai Lama disse que os relatos "não eram novos", porque "já sabia dessas coisas", nomeadamente, das acusações contra Sogyal LakarRimpoché, um polémico mestre budista, acusado desde 1992 de todo o tipo de abusos a alunos em retiros na Europa, em particular em França, os quais estão a ser investigados.

 

 

Tempo

Multimédia