Mundo

Al-Bashir acusa "infiltrados" e expulsa dois jornalistas estrangeiros do país

O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir acusou hoje “pessoas infiltradas” de serem os responsáveis pelas mortes de manifestantes que exigem a sua demissão.

Fotografia: DR

“Há algumas pessoas entre os manifestantes que os estão a matar”, disse num discurso, onde voltou a acusar “agentes” estrangeiros e rebeldes da região do Darfur de fomentarem a dissidência. Hoje, as autoridades decidiram expulsar do país dois jornalistas, um da estação televisiva da Arábia Saudita, “Al Arabiya”, e um outro da agência turca de noticias, “Anadolu”.
As manifestações de rua começaram em Dezembro por causa do aumento do preço do pão, mas rapidamente se transformaram em protestos contra as três décadas de Omar al-Bashir no poder. As autoridades dizem que 26 pessoas morreram nos protestos, enquanto os grupos de direitos humanos falam em mais de 40 mortos.
No último fim de semana, centenas de manifestantes tentaram marchar até ao Parlamento na cidade de Omdurman com uma petição exigindo a renúncia do Presidente e entoando gritos de protesto por “liberdade, paz e justiça”. Mas a polícia disparou gás lacrimogéneo e perseguiu os manifestantes. Cerca de 30 veículos com pessoal de segurança fardado e à paisana dirigiram-se àquela zona, segundo a agência de notícias Reuters.

Tempo

Multimédia