Mundo

Bispo Desmond Tutu rompe com a Oxfam

O bispo sul-africano Desmond Tutu, que já foi laureado com o Prémio Nobel da Paz, anunciou ter endereçado uma carta à Oxfam a romper todas as suas ligações na sequência do escândalo sexual que envolve aquela organização humanitária.

Bispo rompeu com a Oxfam por má imagem da organização
Fotografia: DR

Desmond Tutu, que era um dos embaixadores para a caridade da referida organização, disse na sua missiva acabada de ser tornada pública através do seu escritório na África do Sul, que estava desapontado pelas acusações de imoralidade e possíveis acções criminais que envolvem trabalhadores ligados à Oxfam.
O escândalo que envolve a Oxfam surgiu nas páginas do diário britânico TheObserver, que acusa alguns trabalhadores da organização, entre os quais um dos seus principais director,que entretanto já se demitiu, de terem pago a prostitutas no Haiticom dinheiro que havia sido recolhido para acções de ajuda humanitária.
O então director responsável pela organização no Haiti, Roland vanHauwermeiren, negou todas as acusações e refere que a presença de mulheres na delegação da Oxfam ficou a dever à sua participação em festas de confraternização que nada tinham a ver com sexo. Segundo ele, os gastos dessas festas foram todos cobertos pelos próprios trabalhadores que nelas participaram.
Porém, o problema, que terá levado Roland vanHauwermeiren a apresentar a sua demissão, poderá ter a ver sobretudo com o seu passado uma vez que já entre 2002 e 2004, quando estava à frente dos escritórios da Oxfam na Libéria, ele também foi acusado de pagar a prostitutas com dinheiro das doações e de ter usado as instalações da organização para com elas conviver.
A mesma acusação já lhe havia sido feita quando ele esteve no Chad, mas tal como nas vezes anteriores acabaram por ser desmentidas e de “beneficiar” do facto de não terem sido apresentadas provas suficientemente concludentes.
Independentemente destas acusações, Roland vanHauwermeiren, no dia a seguir a ter abandonado a Oxfam passou a trabalhar para a organização britânica Acção Contra a Fome, estando actulmentecolocado como director da missão desta organização no Bangladesh.
O TheObserver, diz que não desiste e que continua a seguir o percurso de Roland vanHauwermeiren, prometendo clarificar esta situação de modo a não deixar passar em claro uma eventual negligência por parte da organização britânica Oxfam em relação a todas estas acusações de má conduta por parte daquele que foi um dos seus principais representantes no estrangeiro.

Tempo

Multimédia