Mundo

Consolidação de dados ocorre até 15 de Setembro

O Governo da Guiné-Bissau apresentou sexta-feira o Plano de Consolidação do Registo Eleitoral para as eleições presidenciais, marcadas para 24 de Novembro, e que prevê consolidar os dados de quase 25 mil eleitores.

Cidadãos guineenses vão às urnas a 24 de Novembro próximo
Fotografia: DR

“O Governo vai fazer tudo para que as eleições presidenciais sejam livres, justas e transparentes e reconhecidas a nível nacional e internacional como credíveis”, afirmou a ministra da Administração Territorial, Odete Semedo, na apresentação do plano, no Palácio do Governo, em Bissau, de acordo com a Lusa.
O plano, segundo a ministra, é uma forma de permitir que aqueles cidadãos exerçam o seu direito de voto e que por “lapso ou erro” foram impedidos de votar.
Um despacho da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau determinou que a consolidação dos dados se iniciasse ontem e decorra até 15 de Setembro, bem como a reactivação das comissões regionais eleitorais para que possam supervisionar e fiscalizar as correcções das omissões verificadas no recenseamento eleitoral feito para as legislativas de 10 de Março.
Dados do Gabinete Técnico de Apoio ao Processo Eleitoral (GTAPE), indicam que existem 3.835 eleitores omissos na região de Tombali, 85 na região de Bolama/Bijagós, 2.857 na região de Bafatá, 2.187 na região de Gabu, 7.326 na região de Cacheu, e 1.979 no sector autónomo de Bissau.
A Guiné-Bissau realiza eleições presidenciais a 24 de Novembro, estando a segunda volta prevista, em caso de necessidade, para 5 de Janeiro de 2020.

Tempo

Multimédia