Mundo

Força Aérea israelita atacou reactor nuclear

O Exército israelita admitiu ontem ataques há mais de dez anos a um presumível reactor nuclear na Síria, durante uma operação-relâmpago a partir do ar.

Aviões de combate destruíram uma suposta central na Síria
Fotografia: Jaimagens/fotógrafo

Na altura, rezam documentos agora publicados, não subsistiam grande dúvidas de que Israel estava por trás da incursão audaz no território inimigo contra o local de Al-Kibar, na província de Deir Ezzor (leste), na noite de 5 para 6 de Setembro de 2007.
Mas esta é a primeira vez em que este país assumiu abertamente a autoria do ataque, agora que foram publicados documentos desclassificados. Este reconhecimento coincide com uma multiplicação de alertas por parte de Israel contra o reforço da presença militar iraniana na Síria e dos apelos para corrigir ou anular o acordo entre as grandes potências e o Irão sobre as c nucleares daquele país islâmico.
O Presidente norte-americano, Donald Trump, deu o prazo de 12 de Maio aos países europeus para corrigirem o que considera as terríveis lacunas deste acordo, concluído em 2015.
A possibilidade de um ataque israelita contra instalações nucleares iranianas é desde há muito objecto de especulações intensas.
Em 1981, Israel bombardeou o reactor nuclear de Osirak, apesar da oposição de Washington.
Um porta-voz do Exército israelita escusou-se a comentar a oportunidade da desclassificação dos do-cumentos, em resposta a uma pergunta da agência France Presse.

Tempo

Multimédia