Mundo

Morreu o primeiro Presidente da Gâmbia, Dawda Jawara, aos 95 anos

O primeiro Presidente da Gâmbia independente, Dawda Kairaba Jawara, morreu ontem, aos 95 anos, na sua residência no bairro de Fajara, a cerca de 14 quilómetros da capital do país, Banjul, confirmaram fontes familiares.

Dawda Kairaba Jawara foi eleito Presidente da Gâmbia em 1970
Fotografia: DR

 O actual Chefe de Estado deste pequeno país da África Ocidental, Adama Barrow, já disse na sua conta oficial do Facebook que esta é "uma grande perda para o país, em particular, e para a humanidade, em geral" e enviou as suas condolências a todos os gambianos.

A porta voz da Presidência, Amie Bojang Sissoho, também informou da morte do ex-Presidente, que considerou como "um líder carismático", que conduziu o seu país à independência. Dawda Jawara foi primeiro-ministro da Gâmbia entre 1963 e 1970, e durante a sua liderança desta ex-colónia britânica conseguiu, de forma gradual, a sua independência, que acabou por ser proclamada a 18 de fevereiro de 1965, apesar de Isabel II se ter mantido como chefe de Estado e rainha da Gâmbia nos anos seguintes.

Já em 1970 e à frente da República da Gâmbia, Jawara foi eleito Presidente, prosseguindo um mandato sem sobressaltos até à violenta intentona golpista de Julho de 1981, da qual saiu vitorioso com o apoio dos efectivos militares senegaleses. Mas, na sequência de actos violentos que se seguiram a esta tentativa de golpe, morreram entre 400 e 800 pessoas, segundo os números oficiais, o que revela o crescente descontentamento social perante a deterioração da situação económica do país.

Num outro golpe de Estado, em 1994, desta vez sem derramamento de sangue, Jawara foi derrubado pelo militar Yahyah Jammeh, que governou a Gâmbia de uma forma repressiva durante 22 anos. Dawda Jawara exilou-se então no Reino Unido até regressar ao seu pequeno país natal em 2002, depois de Jammeh lhe conceder uma amnistia.

Yahyah Jammeh foi obrigado a abandonar o poder, após a sua derrota nas urnas em Dezembro de 2016, permanecendo exilado na Guiné Equatorial, apesar de no seu país as vítimas do seu autocrático regime continuarem a testemunhar os crimes cometidos sob o seu mandato na Comissão da Verdade, Reconciliação e Reparação (TRRC).

Tempo

Multimédia