Mundo

Movimento islâmico xiita foi proibido na Nigéria

O Presidente nigeriano, Muhammadu Buhari, anunciou ontem a interdição da actuação do Movimento Islâmico da Nigéria (IMN), um movimento xiita radical, após uma série de ataques mortíferos na capital, Abuja.

Fotografia: DR

“O Governo devia agir perante a situação antes que se perdesse o controlo, depois de já ter advertido, por numerosas vezes, que as pessoas não se devem servir da religião para não respeitar as leis”, declarou o Presidente num comunicado citado pela Reuters.
Um jornalista nigeriano baleado na sexta-feira durante uma manifestação da minoria xiita em Abuja morreu durante a noite, anunciou no dia seguinte a empresa onde trabalhava, elevando para oito o balanço de vítimas mortais.
“Precious Owolabi morreu”, anunciou, em comunicado, a cadeia de televisão Channels, onde o jovem, de 23 anos trabalhava. “O jovem foi baleado quando fazia a cobertura dos confrontos entre agentes da Polícia e manifestantes xiitas em Abuja”, acrescenta o comunicado. O Comité para a Protecção dos Jornalistas apelou às autoridades nigerianas para que abram uma investigação para determinar o responsável pela morte do repórter.
Pelo menos seis membros do Movimento Islâmico da Nigéria (IMN), uma organização xiita radical do Norte da Nigéria, e um Polícia foram também mortos na manifestação.
“A manifestação era pacífica, mas a Polícia começou a aparecer em grande número e a lançar gás lacrimogéneo e os manifestantes ripostaram com cocktails Molotov e atearam fogo a carros dos bombeiros”, segundo um jornalista da agência France Presse no local.
De seguida, a Polícia começou a disparar balas reais e os jornalistas no local contaram seis manifestantes e um polícia caídos por terra. O porta-voz do IMN, por seu lado, estabeleceu o balanço em onze mortos entre as suas fileiras.
“Um grande número de pessoas foi atingido. Posso confirmar onze mortos e 30 feridos”, disse Ibrahim Musa, adiantando que a Polícia recolheu os corpos. A Amnistia Internacional apelou às autoridades para que acabem com o uso de violência na repressão das manifestações.
“As forças de segurança disparam balas reais contra as pessoas que exercem apenas a liberdade de expressão", lamentou a organização de defesa dos direitos humanos.
Os militantes do IMN manifestam-se quase diariamente nas ruas de Abuja para pedir a libertação do seu líder, Ibrahim Zakzaky, preso desde Dezembro de 2015. O movimento, que conta com milhares de simpatizantes, contesta há anos, as autoridades nigerianas e as manifestações são frequentemente reprimidas de forma violenta.
Um ataque do Boko Haram, no sábado, a um grupo de homens que regressava de uma cerimónia fúnebre no Nordeste da Nigéria fez 65 mortos e não 23 como havia sido previamente referido pelas autoridades locais. O ataque ocorreu perto da cidade de Maiduguri no dia em que passavam dez anos desde o início da actividade do grupo.

Tempo

Multimédia