Mundo

Primeiro-Ministro é candidato às presidenciais antecipadas

O Primeiro-Ministro da Tunísia, Youssef Chahed, candidato à eleição presidencial antecipada de 15 de Setembro, anunciou, hoje, em Tunis, ter delegado os poderes para se dedicar à campanha eleitoral. Segundo a AFP, o chefe de Governo tunisino, numa intervenção televisiva, declarou ter decidido “ delegar os poderes de Primeiro-Ministro ao ministro da Função Pública, até ao fim da campanha eleitoral.

Yousef Chahed abdico da função para concorrer às eleições
Fotografia: DR

A decisão foi tomada com o objectivo de assegurar a transparência no processo eleitoral, e evitar qualquer “conflito de interesse”, acrescentou. Inicialmente prevista para Novembro de 2018, a eleição foi antecipada por causa do falecimento, a 25 de Julho último, do Presidente Beji Caid Essebsi, aos 92 anos, primeiro Chefe de Estado democraticamente eleito por sufrágio universal, na história moderna do país.
Vinte e seis candidatos validados, dos 71 concorrentes participam do pleito. Na terça-feira, Youssef Chahed, que havia lançado no seu próprio partido Tahya Tounes, no inicio de 2019, renunciou à nacionalidade francesa, como o recomenda a Constituição. />O Parlamento da Tunísia aprovou, em plenária, a alteração da Lei eleitoral, encurtando o prazo de recurso para os resultados das eleições presidenciais antecipadas de 15 de Setembro.
O objectivo desta emenda é evitar uma eventual violação da Constituição ao ultrapassar o período de 90 dias do mandato presidencial interino.
Dos 134 deputados presentes na plenária, 133 aprovaram a emenda e apenas um membro se absteve.
A proposta, votada pelo Parlamento  refere-se aos artigos 46, 49 e 146 da lei eleitoral. A 25 de Julho, o presidente do Parlamento prestou  juramento de presidente interino da República por 90 dias.

Tempo

Multimédia