Mundo

Agente policial é indemnizado pela corporação

O agente da Polícia norte-americana Stephen Mader vai receber 142 mil euros da corporação, como indemnização por ter sido expulso em virtude de não ter alvejado um homem armado num episódio que teve lugar a dois anos.

Fotografia: DR

 Tomou a decisão certa e foi despedido por isso. Esta é história de Stephen Mader um agente da Polícia norte-americana, de 27 anos, que, quando chamado a uma ocorrência, optou por não disparar e consequentemente matar um suspeito que se encontrava armado.
A história desenrolou-se em Maio de 2016, quando Mader foi chamado a uma ocorrência e encontrou Ronald Williams, um afro-americano de 23 anos, armado e muito perturbado. De acordo, com o processo que mais tarde se desenrolou em tribunal, Williams estava mesmo a tentar um "suicídio por polícia", leia-se, provocar as autoridades propositadamente para ser morto por um polícia.
Algo que lhe foi negado, devido à calma e à leitura feita por Stephen Mader, veterano das guerras do Iraque e Afeganistão, que se recusou a abater o suspeito, mesmo depois de este lhe ter pedido várias vezes que o alvejasse.
“Dispara. Dispara só”, gritou o suspeito de 23 anos, enquanto o polícia tentava acalmá-lo e negociar com ele, uma vez que terá percebido que não representava perigo para ele, para os seus colegas, ou para qualquer civil.
No entanto, quando uma dupla de agentes da Polícia de Weirton, cidade de West Virginia onde tudo ocorreu, entrou em cena, disparou imediatamente, matando Ronald Williams. Acontece que a arma do suspeito estava descarregada.
Dez dias depois do incidente, Mader recebeu uma carta de despedimento por não ter disparado quando teve oportunidade. A carta defendia que o agente da Polícia não soube responder à ameaça. “Infelizmente, na realidade do trabalho policial tomar uma decisão é melhor do que não tomar decisão nenhuma”, vinha escrito.
A cidade de Weirton defendeu a Polícia e o despedimento de Stephen Mader. Descontente, o agente colocou a situação em tribunal. Passados quase dois anos, o caso chegou ao fim e o seu antigo departamento policial viu-se obrigado a indemnizá-lo em 142 mil euros, decretou o tribunal. Depois de o julgamento chegar ao fim, o advogado de Mader afirmou que “nenhum polícia deve ser despedido.

Tempo

Multimédia