Mundo

Antigo ministro moçambicano detido por corrupção no “caso Odebrecht”

O antigo ministro dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Paulo Zucula, foi detido, terça-feira, 4 de Junho, em Maputo, suspeito de ter recebido subornos para viabilizar a construção do Aeroporto de Nacala, num caso que envolve a brasileira Odebrecht.

Antigo ministro dos Transportes e Comunicações de Moçambique, Paulo Zucula, está detido em Maputo
Fotografia: DR

De acordo com a Lusa, que cita uma fonte ligada ao "processo nº 58/GCCC/17-IR", Paulo Zucula é suspeito de ter recebido valores que variam entre 135 mil dólares (120 mil euros) e 315 mil dólares (280 mil euros) para facilitar a adjudicação de obras do Aeroporto de Nacala, na província de Nampula, à Odebrecht.
Além de Zucula, as autoridades moçambicanas detiveram também Emilliano Finoch, arquitecto e à data dos factos dono da Construtora Geo Projectos Construções.
O alegado envolvimento de cidadãos moçambicanos em actos de corrupção em que está implicada a Odebrecht foi veiculado, pela primeira vez, em 2016, pela imprensa brasileira, no âmbito das investigações sobre as operações da construtora no país e no estrangeiro.
Em Abril de 2016, um juiz federal de Nova Iorque condenou a construtora brasileira Odebrecht a pagar uma multa de 2,6 mil milhões de dólares (2,3 mil milhões de euros) pelo escândalo dos subornos em países de África e da América do Sul.
Além de Zucula, Manuel Chang, antigo ministro das Finanças moçambicano e que agora está detido na África do Sul no caso das dívidas ocultas, é também arguido, suspeito de ter recebido 250 mil dólares (222 mil euros) no caso Odebrecht.
Em Março deste ano, Paulo Zucula foi condenado a 14 meses de prisão por ter autorizado o pagamento de salários indevidos a gestores do Instituto de Aviação Civil de Moçambique (IACM), uma pena que não chegou a cumprir por ter sido convertida em multa.
O antigo ministro é também, com outros dois gestores, acusados pela justiça moçambicana de terem recebido subornos no valor total de 800 mil dólares (711 mil euros) na compra de duas aeronaves pela Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) à brasileira Embraer.

Tempo

Multimédia