Mundo

Arquivado o pedido de libertação de Lula

O Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil arquivou ontem o pedido de liberdade apresentado pelos advogados de defesa do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva que deveria ser julgado na próxima terça-feira.

Advogados de Lula defendem prisão domiciliária
Fotografia: DR

A defesa do ex-Presidente brasileiro tinha apresentado no STF um pedido para suspender a execução da sentença de 12 anos e um mês de prisão até serem esgotados todos os recursos judiciais possíveis.
Pedia ainda ao STF a prisão domiciliária para o antigo Presidente do Brasil, caso não fosse suspensa a ordem de prisão decretada em Abril.
A audiência estava prevista para a próxima terça-feira, mas o juiz Luiz Edson Fachin arquivou o pedido, impossibilitando a discussão.
A decisão surge poucas horas depois da recusa do Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF4) (que em Janeiro ratificou a condenação contra Lula) em enviar o recurso ao STF, alegando que a mais alta instância judicial do país examina violações à Constituição e que, na sentença contra Lula, não houve elementos que justificassem o pedido.
Com esta decisão do TRF4, o pedido feito pela defesa do ex-Presidente foi considerado “prejudicado”, segundo Fachin.
O antigo Chefe de Estado brasileiro foi condenado a 12 anos e um mês de prisão, em regime fechado, por corrupção e lavagem de dinheiro, num caso relacionado com o escândalo Lava Jato, encontrando-se a cumprir pena, desde 7 de Abril, em Curitiba.
O caso envolve um apartamento de luxo na cidade brasileira do Guarujá, que terá sido dado a Lula da Silva como suborno pela construtora OAS, em troca de vantagens em contratos com a petrolífera estatal Petrobras.

Tempo

Multimédia