Mundo

China exibe poder naval com maior parada militar

A China anunciou que exibe hoje o rápido crescimento do seu poderio naval, com a maior parada militar marítima da sua história.

Porta-aviões de fabrico local integra a Armada
Fotografia: DR

A parada, que marca o 70º aniversário das forças navais do Exército de Libertação Popular, realiza-se nas águas de Qingdao, nordeste do país, e deve servir para apresentar o Destroyer 55, o mais recente contratorpedeiro de mísseis guiados a integrar as forças navais chinesas, segundo a agência de notícias Lusa.
Depois de mais de duas décadas de sucessivos aumentos dos gastos militares, a China está a converter a sua marinha, até então limitada à defesa costeira, numa força capaz de patrulhar os mares próximos do país e de se aventurar no alto mar global.
Pequim considera este avanço crucial para proteger os seus interesses nacionais, mas suscita preocupação em Washington, que vê agora em causa a sua hegemonia militar no Pacífico, mantida desde a Segunda Guerra Mundial.
As forças navais do Exército de Libertação Popular querem “acelerar a construção de uma força naval compatível com o estatuto do país” e “capaz de responder às ameaças à segurança marítima e dissuadir e equilibrar forças com o principal adversário”, lê-se num editorial assinado pelo vice-almirante Shen Jinlong e o vice-almirante e director político das forças navais chinesas, Qin Shengxiang. Os responsáveis consideraram a construção de ilhas artificiais capazes de receber instalações militares no Mar do Sul da China - um avanço que aumentou as tensões com países vizinhos e os Estados Unidos - como um feito para as forças navais chinesas.

Tempo

Multimédia