Mundo

Bolsonaro exalta como "herói nacional" chefe da repressão militar

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, exaltou hoje como "herói nacional" o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do organismo repressivo que torturou até à morte vários presos políticos durante a ditadura militar. "Um herói nacional que evitou que o Brasil caísse naquilo que a esquerda quer hoje", disse o chefe de Estado brasileiro aos jornalistas.

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, exalta coronel repressivo como herói nacional
Fotografia: DR

Jair Bolsonaro tem agendado para hoje um encontro com Maria Joseíta Silva Brilhante Ustra, viúva do coronel que dirigiu o Destacamento de Operações e Informações do Centro de Operações e Defesa Interna (DOI-CODI) em São Paulo, um dos maiores centros de repressão da ditadura militar que imperou no Brasil durante 21 anos (1964 - 1985). "Tem um coração enorme. Estou apaixonado por ela. Não tive muito contacto, mas tive algum contacto com o seu marido quando estava vivo", disse.
" Brilhante Ustra morreu, em 2015, vítima de cancro. Antes de morrer, reconheceu perante a Comissão Nacional de Verdade, que investigou os crimes ocorridos durante a ditadura, que pode ter havido excessos como em todas as guerras, mas nunca tortura,"afirmou.
Assegurou que tudo o que fez foi em cumprimento de ordens superiores para combater o comunismo. Ustra foi condenado em 2008 por torturar um jornalista em 1971, mas o processo foi arquivado por um tribunal brasileiro, que considerou que a queixa da família da vítima ocorreu duas décadas depois da aprovação da Constituição de 1988, que reconhece a amnistia dos delitos praticados durante o regime militar.
Esta não é a primeira vez que Bolsonaro, que recusa a existência de uma ditadura militar no Brasil, exalta a figura de Ustra. O líder da extrema-direita tinha já invocado o nome do coronel durante o processo de político que terminou com a destituição da ex-Presidente Dilma Rousseff, em 2016. Na altura, Bolsonaro, então deputado federal, dedicou o seu voto a favor do "impeachment" (destituição) da Presidente à memória do coronel, classificando-o como "o pavor de Rousseff", que durante a juventude esteve detida e foi torturada no centro sob o comando de Ustra.
Bolsonaro, capitão do Exército na reserva, questiona a versão oficial sobre os desaparecimentos e mortes nesse período e, recentemente, substitui quatro dos sete membros que integram a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos durante a ditadura militar porque, segundo disse, o Governo "agora é de direita".

Tempo

Multimédia