Mundo

Cessar-fogo: Talibãs reúnem-se com EUA em clima de tensão devido a acordo de paz

Os talibãs, afastados do poder em 2001 na sequência de invasão militar liderada pelos EUA, assinaram, em Doha, no Qatar, em finais de Fevereiro, um acordo com os Estados Unidos para conversações de paz com o Governo afegão e um eventual cessar-fogo com retirada das tropas estrangeiras do Afeganistão.

Um porta-voz militar dos EUA que falou sob anonimato, pediu aos talibãs que parassem de atacar as forças de segurança afegã
Fotografia: DR

Representantes dos talibãs reuniram-se com o chefe das forças dos Estados Unidos da América (EUA) no Afeganistão para pedir o fim do que consideram um aumento dos ataques norte-americanos desde a assinatura do acordo de paz em fevereiro.

Um porta-voz militar dos EUA que falou sob anonimato, para cumprir regulamentos militares, segundo a agência noticiosa AP, pediu aos talibãs que parassem de atacar as forças de segurança afegãs e disse que as tropas americanas continuariam a ajudá-los segundo o acordo firmado. Segundo a AP, o porta-voz militar confirmou que o general norte-americano Scott Miller reuniu-se com talibãs, "como parte do canal militar estabelecido no acordo" sobre formas de reduzir a violência.

O porta-voz do gabinete político dos talibãs, Suhail Shaheen, num “tweet” hoje publicado, precisou que a reunião se realizou ao final do dia de ontem, no Qatar, onde o grupo insurgente mantém um escritório político e que os talibãs terão pedido a suspensão de ataques contra civis, embora o exército dos EUA diga que não tem como alvo não-combatentes.

O acordo assinado entre os EUA e os talibãs, apresentado como uma oportunidade de o Afeganistão encerrar décadas de guerra, continua em vigor, mas o progresso para um acordo político mais amplo tem sido retardado pela disputa dentro do Governo afegão.

Os talibãs dizem que reduziram os ataques às forças afegãs e não atacaram as tropas dos EUA ou da NATO desde que o acordo foi assinado em 29 de fevereiro, e que a maioria dos recentes ataques foram contra forças afegãs colocadas em áreas remotas.

Tempo

Multimédia