Mundo

Chefe de gabinete de Guaidó foi preso

O chefe de gabinete do autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Roberto Marrero, e o deputado da oposição Sérgio Vergara foram detidos por agentes do SEBIN, a secreta venezuelana, nas suas casas em Caracas, avançou ontem a Reuters.

Juan Guaidó é o principal opositor do Presidente Maduro
Fotografia: DR

Os agentes entraram na casa dos dois funcionários da Assembleia Nacional venezuelano, por volta das 2h00 locais e começaram logo a fazer buscas.
Através da sua conta no Twitter, Juan Guaidó denunciou as detenções.
“Desde às 2h24 funcionários do SEBIN sitiaram as casas do deputado do Voluntad Popular e do meu chefe de gabinete, o advogado Roberto Marrero. Neste momento, mantêm-nos sequestrados”, escreveu Guaidó.
O Folha de São Paulo referiu que Roberto Marrero e Sérgio Vergara escoltaram Juan Guaidó, quando chegou ao aeroporto depois de ter feito um périplo por vários países da região. O jornal brasileiro acrescentou que outros deputados se dirigiram para as residências de Marrero e Vergara para tentarem impedir as detenções.
Representantes do Grupo Internacional de Contacto (GIC), composto por vários países da União Europeia, o Uruguai e o Governo do Presidente Nicolás Maduro, reuniram-se em Caracas para debater a crise venezuelana.
Trata-se do segundo en-contro (o primeiro ocorreu em finais de Fevereiro) e, na reunião, estiveram presentes, pelo lado da Venezuela, os vice-ministros das Relações Exteriores para a Europa e dos Assuntos Multilaterais, Yván Gil e Félix Plasencia, respectivamente.
Sem precisar os representantes estrangeiros que estiveram presentes, o Ministério das Relações Exteriores da Venezuela divulgou um comunicado a precisar que, neste “segundo” encontro, “foram exploradas vias de cooperação técnica no âmbito do sistema das Nações Unidas e em estreito alinhamento ao direito internacional.”

Tempo

Multimédia