Mundo

Coligação promete retomar protextos no Togo

A coligação togolesa, que desde Agosto de 2017 se tem manifestado contra o Presidente do país, Faure Gnassingbé, vai retomar os protestos na próxima semana, disse ontem um porta-voz da força política à agência AFP.

Oposição realiza manifestações contra o poder político
Fotografia: Afam.org.tr

Os protestos tinham sido suspensos após o início de conversas entre as duas forças no dia 19 de Fevereiro. “Decidimos retomar as manifestações na próxima semana, durante quatro dias: terça, quarta, quinta e sábado.

O Governo não honrou os seus compromissos relativos às próximas eleições”, explicou à AFP Eric Dupuy, responsável pela comunicação da coligação. Na semana passada, o Governo nomeou os membros das comissões eleitorais independentes para as próximas eleições, não tendo sido ainda anunciada uma data. As últimas eleições legislativas datam de Junho de 2013 e os deputados foram eleitos para mandatos de cinco anos. Uma delegação da oposição viajou ontem para Acra, capital do Gana, a convite do Presidente ganense, Nana Akufo-Addo, que está disponível para desempenhar o papel de mediador.

Nana Akufo-Addo prometeu consultar, separadamente, os líderes políticos togoleses em Acra, antes de continuar as conversações em Lomé.
Desde Agosto de 2017 que a oposição tem realizado manifestações e outras acções de protesto para exigir a de-missão de Faure Gnassing-bé, que manifestou publicamente a vontade de se recandidatar a um terceiro mandato presidencial.

Com o apoio do Exército, Faure Gnassingbé sucedeu em 2005 ao seu pai, Gnassingbé Eyadéma, que dirigiu o país com “mão de ferro” durante 38 anos. O clã Eyadéma lidera o país há mais de 50 anos.

Tempo

Multimédia