Mundo

Comissão Eleitoral da Guiné-Bissau admite mover “acção judicial”contra Mário Vaz

O presidente da Comissão Nacional de Eleições da Guiné-Bissau, José Pedro Sambú, admitiu, sexta-feira, "intentar uma acção judicial" contra o Presidente cessante e candidato nas eleições presidenciais de domingo passado, José Mário Vaz, por insinuar "falsidades e calúnias".

Fotografia: DR

"As insinuações, falsidades e calúnias, proferidas nas declarações do candidato José Mário Vaz são apenas manobras de diversão, contudo, a CNE pondera intentar uma acção judicial, com vista a salvaguardar o seu bom nome e dos seus membros", refere, em comunicado, divulgado ontem à imprensa, José Pedro Sambú.
O Presidente cessante da Guiné-Bissau e candidato às eleições presidenciais realizadas no domingo passado, José Mário Vaz, disse, na quinta-feira, que aceita os resultados, mas salientou que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) sabe "perfeitamente" quem deveria estar na segunda volta.
José Mário Vaz não passou à segunda volta das eleições presidenciais na Guiné-Bissau, tendo obtido 12,41 por cento dos votos.
"O candidato José Mário Vaz bem sabe que os actos administrativos praticados pela CNE na decorrência do processo eleitoral podem ser impugnados por via judicial, à luz do contencioso eleitoral e nos termos permitidos por lei", salienta José Pedro Sambú. No comunicado, o presidente da CNE exorta os "guineenses a manterem-se unidos em torno dos pilares da democracia banindo pessoas mesquinhas”.

Tempo

Multimédia