Mundo

Como Gates virou alvo de teorias da conspiração sobre a pandemia

As teorias que falsamente ligam Bill Gates ao coronavírus foram mencionadas 1,2 milhão de vezes na televisão ou em redes sociais, entre Fevereiro e Abril, de acordo com um estudo do jornal “The New York Times” e da empresa de software Zignal Labs. O artigo é da BBC News

Fotografia: DR

“Se alguma coisa for capaz de matar mais de 10 milhões de pessoas nas próximas décadas, é provável que seja um vírus altamente infeccioso, e não uma guerra”, disse Bill Gates à plateia.

As suas palavras prescientes ganharam atenção na época, mas praticamente não foram ouvidas. Mas agora que estamos a viver a pandemia de Covid-19, o vídeo dessa palestra já foi visto mais de 64 milhões de vezes e muitas pessoas parecem mais interessadas no que estaria, segundo elas, por trás dessa palestra do que na palestra em si.

Alguns acreditam que ele está a coordenar esforços para despovoar o mundo. Outros o acusam de tornar vacinas obrigatórias ou mesmo de tentar implantar microchips nas pessoas.

A cara da saúde pública

“Existem inúmeras teorias conspiratórias sobre Bill Gates”, disse Rory Smith, do First Draft News, projecto de combate à desinformação. “E não surpreende que ele tenha se tornado alvo, porque ele sempre representou a saúde pública.”

As teorias que falsamente ligam Bill Gates ao coronavírus foram mencionadas 1,2 milhão de vezes na televisão ou em redes sociais, entre Fevereiro e Abril, de acordo com um estudo do jornal The New York Times e da empresa de software Zignal Labs.

Grande parte do conteúdo é postada em grupos públicos do Facebook, a partir dos quais ele é compartilhado milhões de vezes. O First Draft News também descobriu que a plataforma chinesa TikTok está a tornar-se um novo lar para essas teorias da conspiração.

A equipa da BBC que actua contra a desinformação levantou algumas das mais estranhas. Entre elas, há alegações de que a Fundação Bill e Melinda Gates testou vacinas em crianças em África e na Índia, levando a milhares de mortes e danos irreversíveis. Um post até diz que ele estaria a ser julgado na Índia. Gates é acusado de lançar uma vacina contra o tétano no Quénia, que inclui drogas que provocam aborto.


Um vídeo na página de Facebook da publicação de extrema direita The New American Magazine dá voz à falsa teoria de que ele estaria a promover o despovoamento do mundo, por meio de vacinas e aborto e também liga Gates ao Partido Comunista da China. Esse vídeo foi compartilhado 6.500 vezes e visto 200.000 vezes.
Um vídeo que acusa Gates de querer colocar microchips nas pessoas teve quase dois milhões de visualizações no YouTube.

Rico e famoso

Mas, afinal, como foi que o fundador da Microsoft, que investiu biliões em assistência médica global, por meio da fundação filantrópica que administra com a esposa, Melinda, tornou-se o bicho-papão das pessoas que disseminam teorias da conspiração sobre Covid-19?
Joseph Uscinski, cientista político da Universidade de Miami e autor de livros sobre teorias da conspiração, acredita que é simplesmente porque ele é rico e famoso.

“As teorias da conspiração acusam pessoas poderosas de fazerem coisas terríveis”, disse ele à BBC. “As teorias são basicamente as mesmas, mudam apenas os nomes. Antes de Bill Gates, eram George Soros e os irmãos Koch, os Rothchilds e os Rockefellers.”

A maioria das teorias da conspiração não ganha muito alcance. As que perduram são aquelas que “descrevem grandes vilões e tratam de questões com que as pessoas se preocupam”.
“Não deveria surpreender que pessoas ricas e grandes corporações estejam a ser acusadas de conspirar para colocar chips nos nossos corpos, porque isso é algo que tememos”, disse ele.

“Essa é a munição das teorias da conspiração há muito, muito tempo”, explicou. Apesar de essas teorias “não terem nenhuma ligação com a verdade”, as pessoas ainda parecem cair nelas.

Mais de um quarto de todos os americanos e 44 por cento daqueles que se identificam com o Partido Republicano acreditam que Bill Gates deseja usar uma vacina da Covid-19 para implantar microchips na pele das pessoas, de acordo com levantamento feito pelo site de notícias Yahoo News com a empresa de pequisa YouGov.

Smith diz que muitas vezes existe na teoria um “elemento da verdade”, que é “totalmente tirado de contexto”. Por exemplo, a Fundação Bill e Melinda Gates financiou um estudo, realizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), no ano passado, que analisou a possibilidade de armazenar o histórico de vacinação de um paciente num corante. Ele seria invisível a olho nu e poderia ser colocado sob a pele durante a aplicação de uma vacina.

É difícil averiguar a origem das teorias da conspiração, mas acredita-se que a Internet as esteja a propagar ainda mais.
“Antes da Internet, elas existiam apenas em bolhas dentro de certas comunidades, mas a Internet permite que elas passem a ser conhecidas por várias pessoas. Acho que hoje há muito mais espaço para integrar as teorias da conspiração do que havia antes da Internet”, disse Smith.
O especialista acrescentou que as teorias da conspiração floresceram durante a pandemia, porque as pessoas estão “psicologicamente vulneráveis”.

“Essa crise é sem precedentes em tamanho e escopo e as orientações mudam à medida que novos estudos são publicados. Existem grandes áreas de incerteza e os seres humanos detestam a incerteza”, disse ele.

Para lidar com isso, “agarramo-nos a qualquer informação para termos algum tipo de sentido e ordem. E é aí que o boato começa. As teorias da conspiração - e principalmente as teorias da conspiração sobre Bill Gates - preenchem esses vazios informacionais”.

“Quase dá vontade de rir de vez em quando”

A Fundação Bill e Melinda Gates, que investiu 300 milhões de dólares no combate à Covid-19, manteve-se optimista com a enxurrada de alegações falsas.

Em comunicado à BBC, disse: “Estamos preocupados com as teorias da conspiração que estão a ser divulgadas online e com os danos que elas podem causar à saúde pública. Num momento como esse, quando o mundo está a enfrentar uma crise económica e de saúde sem precedentes, é lamentável que haja pessoas a divulgar informações erradas, quando todos devíamos estar à procura de maneiras de colaborar e salvar vidas. Agora, uma das melhores coisas que podemos fazer, para parar a propagação da Covid-19, é espalhar os factos”.
Em entrevista à BBC, Bill Gates expressou surpresa por se ter tornado a figura de proa dessas teorias.

“É preocupante que exista tanta loucura. Quando desenvolvermos a vacina, desejaremos que 80 por cento da população a tome. Mas se as pessoas tiverem ouvido falar que é uma grande conspiração, corremos o risco de não ter pessoas dispostas a tomar a vacina. E isso fará com que a doença continue a matar”, disse ele.

“Estou meio surpreso que parte disso seja sobre mim. Estamos apenas a dar dinheiro, a assinar o cheque. Sim, pensamos em proteger as crianças contra doenças, mas não tem nada a ver com chips e esse tipo de coisa. Quase dá vontade de rir de vez em quando.”

Tempo

Multimédia