Mundo

Condenado por homicídio foi executado no Botswana

As autoridades do Botswana executaram, ontem, um homem de 29 anos de idade, condenado por homicídio cometido em 2014. Segundo a Reuters, Wamorena Molefhe, porta-voz dos Serviços Prisionais, anunciou que a pena de morte de Mmika Michael Mpe, da aldeia de Werda, no distrito de Kgalagadi, foi executada por ter matado o seu empregador Reinette Johanna Vorster.

Tribunal de Apelação rejeitou recurso de Mmika Michael Mpe
Fotografia: DR


“Mpe foi condenado pelo Tribunal Superior do Botswana, a 18 de Maio de 2018, por sequestro, assalto à mão armada, roubo de um veículo, danos intencionais à propriedade alheia e morte de Reinette Johanna Vorster, a 30 de Janeiro de 2014, em Okwa Valley, em Gants”, lembrou.
Ele foi condenado respectivamente a um ano, 10 anos e três anos e à pena de morte, pelos vários crimes. A sentença de morte foi executada após a rejeição do recurso de Mpe contra a condenação pelo Tribunal de Apelação, a 8 de Fevereiro de 2019.
No ano passado, um homem de 44 anos, Mooketsi Kgosibodiba, foi executado após ter sido condenado à morte em 2017.
Por outro lado, a Organização não Governamental “Ditshwanelo”, centro tswanês para os direitos humanos, denunciou o uso da pena de morte no país da África Austral.
A organização pediu ao Governo que assumisse a liderança na condenação do uso da força que resulta em morte, em vez de proteger a vida, incluindo a dos perpetradores.
Além disso, a Ditswanelo quer que o Governo aborde o problema da deterioração da moral e procure alternativas para abordar as causas dos comportamentos anti-sociais que levam à prática de crimes puníveis com a pena de morte.

Tempo

Multimédia