Mundo

Covid-19: Argentina produz e México distribui vacina de Oxford na América Latina

A Argentina vai produzir e o México distribuir a vacina de Oxford contra a Covid-19 na América Latina, à excepção do Brasil, anunciou o Presidente argentino.

Fotografia: DR


“Para a América Latina, excepto o Brasil, os responsáveis pela rede de produção serão a Argentina e o México. O México será o responsável por completar o processo de produção, por embalar a vacina e por toda a distribuição, que será de forma equitativa, de acordo com os pedidos dos Governos latino-americanos”, declarou Alberto Fernández, quarta-feira, em conferência de imprensa.

O laboratório anglo-sueco AstraZeneca, responsável pela produção da vacina contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2), desenvolvida pela Universidade britânica de Oxford, assinou um acordo com a Fundação Carlos Slim para produzir entre 150 e 250 milhões de doses, disponíveis durante o primeiro semestre de 2021, a um custo de entre três e quatro dólares.

Embora tenha um laboratório em Buenos Aires, o AstraZeneca fechou um acordo com outro laboratório argentino, o Mabxience, melhor preparado para a transferência de tecnologia e imediata produção da vacina que está na fase III, a última dos testes.
“Isso põe a Argentina num lugar de tranquilidade. De poder contar com a vacina em tempo oportuno e em quantidade suficiente para poder cobrir a procura de forma imediata”, disse Fernández.

O acordo permite que a Argentina tenha “um acesso entre seis a 12 meses mais rápido” à vacina, indicou.
“Uma das preocupações que sempre tivemos era a de poder garantir, na hora em que a vacina estivesse pronta, que a Argentina não tivesse de esperar e que tivesse acesso o mais rápido possível”, disse.
A Fundação Slim, do empresário mexicano Carlos Slim, líder em telecomunicações móveis na América Latina, vai financiar a produção, mesmo durante a fase de testes.

“A Fundação Slim permitiu que possamos ter acesso a essa vacina a preços muito mais do que razoáveis, entre três e quatro dólares (entre 2,5 e 3,4 euros) a dose”, considerou Fernández, embora o custo seja mais elevado do que o previsto para o Brasil.
O laboratório AstraZeneca vai transferir procedimentos e o antígeno para que o laboratório argentino Mabxience possa produzir, em grande escala, a substância activa da vacina.

“É um imenso desafio para a indústria nacional e para nós é um reconhecimento da qualidade dos laboratórios argentinos”, apontou.
Fernández acrescentou que o laboratório AstraZeneca prevê uma procura de 230 milhões de doses na América Latina, com excepção do Brasil.
Em 31 de Julho, o Ministério da Saúde brasileiro anunciou um acordo entre a AstraZeneca e a fábrica de vacinas Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro, para a produção de 100 milhões de doses a um custo inicial de 2,30 dólares, que desce para dois dólares nos lotes posteriores.
O valor no Brasil, em que o projecto vai custar ao Estado mais de 290 milhões de euros, representa cerca de metade do custo inicial do projecto na restante América Latina.

Resultados preliminares mostraram eficácia para a vacina de Oxford, já no último estágio de testes, a fase III, aplicada actualmente no Reino Unido, no Brasil, na África do Sul e, em breve, nos Estados Unidos. O projecto Oxford é considerado o mais avançado pela Organização Mundial da Saúde.

Tanto na Argentina quanto no Brasil, a substância activa deve chegar em Novembro ou Dezembro e o primeiro lote comercial poderá estar disponível em Janeiro ou Fevereiro.
“É uma grande notícia que México e Argentina sejam os pontos de referência para a produção da vacina e que possamos trazer uma solução ao continente”, afirmou Alberto Fernández.

Tempo

Multimédia