Mundo

Covid-19: Cientistas britânicos testam vacinas que podem ser inaladas

Cientistas britânicos iniciaram um estudo com duas vacinas experimentais contra o vírus que provoca a Covid-19, admitindo-se a hipótese que possam funcionar melhor quando inaladas por pessoas em vez de injectadas.

Fotografia: DR

Em comunicado, investigadores do Imperial College de Londres e da Universidade de Oxford revelaram que o ensaio, envolvendo 30 pessoas, vai testar vacinas desenvolvidas por ambas as instituições e em que os participantes inalam as gotas nas suas bocas, tendo como alvo directo os seus sistemas respiratórios.

Outros estudos das vacinas do Imperial Colege e da Universidade de Oxford já estão em curso, mas este visa verificar se as vacinas podem ser mais eficazes caso sejam inaladas.  “Temos evidências de que a administração de vacinas contra a gripe por meio de um ‘spray’ nasal pode proteger as pessoas contra a gripe e também ajudar a reduzir a transmissão da doença”, declarou Chris Chiu, do Imperial College, que está a liderar a pesquisa.

O mesmo responsável sugeriu que esse também pode ser o caso a utilizar contra o novo coronavírus.  “É fundamental explorarmos se o direccionamento directo às vias aéreas pode fornecer uma resposta eficaz em comparação com uma vacina injectada no músculo”, disse Chris Chiu.

O estudo está a recrutar participantes com idades entre os 18 e os 55 anos e pretende começar a vacinar pessoas em Londres nas próximas semanas.
Estudos científicos anteriores demonstraram que as vacinas administradas por inalação requerem doses menores do que as injectáveis, o que pode ajudar a rentabilizar os recursos limitados.

“Pode muito bem ser que um grupo tenha a vacina certa, mas o método de administração errado, e apenas testes como estes poderão esclarecer isso”, disse Robin Shattock, que conduz o desenvolvimento da vacina do Imperial College.  A vacina desenvolvida pelo Imperial College utiliza cadeias sintéticas de código genético baseado no vírus. Uma vez injectadas no músculo, as células do próprio corpo são instruídas a fazer cópias de uma “proteína espinhosa” no coronavírus.

Espera-se que, desta forma, accione uma resposta imunológica para que o corpo possa lutar contra qualquer futura infecção por Covid-19. Em comparação, a vacina da Universidade de Oxford usa um vírus inofensivo - um vírus da gripe que atinge o chimpanzé, projectado para não se espalhar - para transportar a “proteína de pico” do coronavírus para o corpo, o que deve desencadear uma resposta imunológica.

Na semana passada, a Universidade de Oxford interrompeu temporariamente os seus testes de vacinação em grande escala, após um participante do Reino Unido relatar sintomas neurológicos graves, mas foram reiniciados no domingo.  A pandemia da Covid-19 já provocou pelo menos 924 mil mortos e mais de 29 milhões de casos de infecção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.867 pessoas dos 63.983 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.
A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China. Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em Fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Tempo

Multimédia