Mundo

Deputada do Bangladesh usou oito sósias para lhe fazerem os exames

Tamanna Nusrat, deputada no Bangladesh é acusada de ter pago a oito mulheres para passarem por ela nos exames, o que aconteceu em 13 ocasiões, divulgaram, segunda-feira os responsáveis da Universidade Aberta do Bangladesh (BAO), que a expulsaram e sem direito a recurso.

Fotografia: DR


Nusrat foi eleita, o ano passado, para o Parlamento pelo partido do Governo, Liga Awami. Estudava para obter o bacharelato em Artes, o que pretendia fazer com recurso a terceiros. A fraude foi denunciada pela emissora privada Nagorik TV, que acedeu à sala de exames e confrontou uma mulher que se fazia passar por Tamanna Nusrat. O vídeo tornou-se viral e as autoridades tiveram de tomar medidas.
“Expulsámo-la, porque cometeu um crime. Um crime é um crime”, disse o director da BOU, MA Mannan. “Cancelamos a inscrição dela. Nunca poderá voltar a ser admitida aqui” garantiu ao o jornal inglês “The Guardian”.
Um funcionário da Faculdade comentou que a situação era conhecida e que as sósias gozavam da protecção de membros do Parlamento. "Toda a gente sabia, mas ninguém pronunciou uma palavra, porque ela é de uma família muito influente". Tamanna Nusrat tem-se mostrado indisponível para comentar a situação.
O jornal britânico acrescenta que fraudes, copianços e roubo dos testes antes dos exames são comuns no Bangladesh, o que leva as autoridades a cancelar com frequência a divulgação dos resultados.

Tempo

Multimédia