Mundo

Investigação avalia milhares de e-mails

A investigação de Robert Mueller aos contactos russos com a campanha do Presidente dos EUA obteve acesso a milhares de e-mails enviados e recebidos por funcionários de Trump antes do início da sua administração, segundo pessoas familiarizadas com a transição.

Contactos mantidos através da net foram inspeccionados
Fotografia: Edições Novembro |

O Procurador Especial do Departamento da Justiça, Robert Mueller, está a investigar o alegado conluio do governo da Rússia com a campanha de Trump para influenciar o resultado das eleições presidenciais americanas de Novembro de 2016.
Os investigadores não requereram directamente os registos do grupo de transição ainda existente, Trump for América, e em vez disso obtiveram-nos de uma agência federal que armazenou o material, segundo as mesmas fontes. Um advogado enviou no sábado cartas para dois comités do congresso a dizer a agência federal (General Services Administration - GSA) forneceu de forma imprópria os registos da transição aos investigadores de Robert Mueller. Kory Langhofer, conselheiro geral para o grupo de transição, escreveu ao republicano que preside ao comité do Senado sobre a segurança interna, contestando a revelação “não autorizada dos e-mails”.
A General Services Administration tem nos últimos anos fornecido espaço no gabinete e ajuda para as transições presidenciais e tipicamente aloja os registos electrónicos da transição no seu sistema informático.
Mas o grupo Trump for América considera os registos privados e não propriedade do governo. A equipa de invetigadores rejeita a ideia.

Tempo

Multimédia