Mundo

EUA: A história de assassinatos de negro repete-se

George Floyd é o nome mais recente de uma lista interminável de negros mortos às mãos da Polícia nos Estados Unidos, depois de estarem completamente neutralizados e, portanto, já não oferecerem resistência e perigo.

Trayvon Martin
Fotografia: DR

Nestas circunstâncias, o que a Polícia deveria fazer era declarar que o indivíduo estava detido e transportá-lo aos calabouços para os procedimentos subsequentes conducentes ao julgamento. A execução pública de negros às mãos da Polícia nessas circunstâncias é um fenómeno que abala, de forma recorrente, a sociedade norte-americana.

Podemos falar de uma série de casos mediáticos nos últimos anos, como Tamir Rice (12 anos, Clevand, Ohio, 2014), Walter Scott (50 anos, North Charleston, Carolina do Sul, 2015 ), Jonathan Ferrell (24 anos, Charlotte, Carolina do Norte, 2013) ou Samuel DuBose (43 anos, Cincinnati, Ohio), entre muitos outros, de entre os quais destacamos Trayvon Martin, Michael Brown e Jamar Clark.

Fevereiro, 2012 – Trayvon Martin, 17 anos, afro-americano, estudante, alvejado por George Zimmerman, segurança num condomínio onde o jovem vivia temporariamente, em Sanford, na Florida.

Agosto, 2014 – Michael Brown Jr, 18 anos, afro-americano, abatido a tiro por Darren Wilson, um polícia branco de 28 anos, em Ferguson, Missouri. Deste evento trágico surgiu o slogan “Handup, don’t shot”. Wilson considerou que Brown era o suspeito de um assalto a uma loja de conveniência.Na altecação entre os dois, o polícia começou a disparar, o jovem foge, mas é perseguido pelo polícia. A certa altura Brown decide enfrentar o polícia, que continuou a disparar - contam-se seis tiros. Brown estava com as mãos no ar, não estava armado e não tinha antecedentes criminais.

Novembro, 2015 - Jamar Clark, 24 anos, afro-americano baleado numa acção policial que envolveu dois polícias brancos, Mark Ringgenberg e Dustin Schwarze, em Minneapolis, Minnesota. A Polícia, que acudiu a uma situação de violência doméstica, que envolvia Clark e a namorada, afirmou, depois, que o afro-americano tentou tirar a arma a um deles, mas testemunhas deram conta que o jovem estava algemado e no chão no momento em que foi baleado.

Tempo

Multimédia