Mundo

EUA vão endurecer sanções contra gigante das telecomunicações Huawei

Os Estados Unidos vão endurecer as sanções contra a gigante chinesa das telecomunicações Huawei e 38 subsidiárias para impedir o seu acesso a tecnologias norte-americanas, anunciou hoje o Departamento de Comércio dos EUA, em comunicado.

Fotografia: DR

A administração dos Estados Unidos acusou a Huawei de usar as suas subsidiárias internacionais para contornar as sanções, referindo que o grupo representa um risco de segurança para o país devido aos seus laços com o Governo chinês, o que a Huawei nega.

A Huawei e as suas subsidiárias "intensificaram esforços para obter semicondutores de ponta desenvolvidos ou produzidos a partir de 'software' e tecnologias norte-americanas com vista a atingir objectivos políticos do Partido Comunista da China", afirma o secretário norte-americano do Comércio, Wilbur Ross, citado no comunicado.

Numa outra nota divulgada hoje, o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, acrescentou que a administração Trump vê a Huawei como "um braço armado da vigilância do Partido Comunista Chinês" e alega que as novas sanções visam "proteger a segurança nacional dos Estados Unidos, a privacidade dos cidadãos e a integridade das infra-estruturas 5G face à influência nefasta de Pequim".

Washington tem tentado impedir que a Huawei e outros fornecedores chineses dominem o mercado de telecomunicações e a rede 5G, tendo proibido, há um ano e meio, a venda de tecnologia 'made in USA' ao gigante chinês.

O conflito entre a China e os Estados Unidos tem aumentado desde que os dois países assinaram um acordo comercial histórico, em Janeiro, para acalmar as relações.

"A China fez-nos coisas terríveis. Eles [responsáveis chineses] poderiam ter parado. Travaram essa doença, que eu chamo vírus chinês. Impediram que se propagasse na China, mas não nos Estados Unidos e no resto do mundo", afirmou hoje o Presidente norte-americano, Donald Trump, referindo-se, numa entrevista dada à Fox News, à Huawei como "espiões".

A administração Trump tem também pressionado os seus aliados para banirem os equipamentos da Huawei, acusando o grupo de partilhar dados com os serviços secretos do regime chinês e de colocar a sua tecnologia ao serviço da vigilância dos dissidentes e da repressão de um milhão de uigures.

O Reino Unido já proibiu a compra de novos equipamentos Huawei a partir de 31 de Dezembro.

A Huawei foi a empresa que mais telemóveis vendeu, no segundo trimestre de 2020, em todo o mundo, segundo dados divulgados 3m 30 de Julho pela analista de mercados Canalys, que considerou difícil o grupo chinês de telecomunicações manter aquela posição.

A Huawei registou uma queda homóloga de cinco por cento nas vendas, para 55,8 milhões de dispositivos, mas o desempenho da rival directa, a Samsung, foi ainda pior: o conglomerado sul-coreano vendeu 53,7 milhões de dispositivos, ou seja, 30 por cento a menos do que no mesmo período de 2019, mostra um relatório divulgado pela empresa de análise do mercado.

O grupo chinês de tecnologia tornou-se assim a primeira empresa a quebrar o duopólio entre Apple e Samsung no topo da lista de fornecedores globais de 'smartphones', segundo estimativas da Canalys.

As sanções dos Estados Unidos contra a empresa e a campanha internacional lançada por Washington, tentando convencer os seus aliados a excluírem a Huawei das redes de quinta geração (5G), pesaram nas suas vendas no exterior, que caíram 27 por cento, entre Abril e Junho.

No entanto, durante o mesmo período, a vendeu oito por cento a mais na China, onde já controla mais de 70 por cento do mercado de 'smartphones'.

Tempo

Multimédia