Mundo

Puigdemont gera polémica

O Supremo espanhol decidiu ontem cancelar o mandado europeu de detenção de Puigdemont, antigo presidente do Governo da Catalunha, porque a Espanha se recusa a julgar o independentista apenas pelo alegado delito de peculato e não pelo de rebelião.

O juiz Pablo Llarena, do Supremo espanhol, respondeu ontem à decisão da justiça alemã de extraditá-lo apenas por um alegado delito de peculato, mas não pelo de rebelião, muito mais grave, e que era solicitado pela justiça espanhola. O juiz decidiu cancelar o mandado de detenção europeu, mas não o nacional, de que Puigdemont e os outros fugitivos eram alvo.

Tempo

Multimédia