Mundo

Vítimas de 35 nações

As vítimas do atentado terrorista de quinta-feira em Barcelona e de Cambrils são de pelo menos 35 nacionalidades, segundo um balanço inicial da protecção civil da Catalunha.

Atentado em Espanha fez vítimas mortais de países como Cuba e Portugal
Fotografia: Edições Novembro |

O ataque nas Ramblas em Barcelona fez 14 mortos e mais de uma centena de feridos e o atropelamento em massa em Cambrils provocou mais um morto e quatro feridos.
Segundo a protecção civil da Catalunha, as vítimas são da Alemanha, Argélia, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Marrocos, Canadá, China, Colômbia, Roménia, Venezuela, Cuba, Equador, Egipto, Estados Unidos, Filipinas, França, Reino Unido, Grécia, Holanda, Taiwan, Honduras, Hungria, Irlanda, Itália, Kuwait, Macedónia, Mauritânia, Paquistão, Peru, Portugal, República Dominicana e Turquia.
Morreram várias crianças em Barcelona e até ontem a vítima mais nova identificada era uma menina de três anos. Há ainda um rapaz de 7 anos britânico que está desaparecido desde o ataque. Julian Cadman estava com a mãe quando a carrinha avançou sobre a multidão nas Ramblas. A mãe ficou gravemente ferida e está hospitalizada.
Abdelbaki Es Satty, imã de uma mesquita em Ripoll (cidade da Catalunha perto de Barcelona, onde estaria a viver Driss Oukabir - um dos suspeitos detido pela polícia) é apontado pelas autoridades como o possível cérebro dos ataques terroristas de Espanha.
De acordo com o “El Mundo”,  fontes da investigação revelaram que Es Satty é um salafista radical (corrente fundamentalista do Islão sunita). A idade (45 anos) e o seu perfil (preso em 2012 por alegadas ligações ao estrangeiro) leva a polícia a acreditar que pode ter agido como líder do grupo terrorista, composto por 12 pessoas, das quais cinco foram abatidas após o ataque em Cambrils.
A polícia catalã esteve ontem em casa do imã em Ripoll, para recolher vestígios de ADN para perceber se Es Satty é uma das vítimas mortais da explosão da casa Alcanar,  onde supostamente a célula estaria a preparar os explosivos.
O pai de Driss e Moussa Oukabir, dois dos suspeitos dos ataques em Espanha, confessou-se “devastado” com o envolvimento dos filhos nos ataques terroristas.

Tiros em Nimes


Três homens armados terão disparado ontem junto a uma estação de comboio em Nimes, França, perto do local onde devia começar a Volta a Espanha. De acordo com o “La Vanguardia”, o alerta foi dado pelos jornalistas que estão a cobrir a prova e que mantidos na sala de imprensa como medida de segurança.
“Estamos retidos na sala de imprensa de Nimes devido a um tiroteio na estação da cidade. Como medida preventiva, presume-se”, escreveu um dos jornalistas na rede social Twitter.

Tempo

Multimédia