Mundo

Ex-PM malaio condenado À prisão e multa por corrupção

O ex-Primeiro-Ministro da Malásia, Najib Razak, foi condenado a 12 anos de prisão e multado em 42 milhões de euros por sete acusações de corrupção apresentadas no primeiro processo do escândalo relacionado com o fundo de investimento, noticiou ontem a Lusa.

Fotografia: DR



Najib Razak foi condenado a 12 anos por um crime de abuso de poder, 10 anos de prisão por cada um dos três crimes de lavagem de dinheiro e outros 10 anos por cada um dos três crimes de abuso de confiança, mas irá cumprir todas as penas simultaneamente.
O juiz do Supremo Tribunal de Kuala Lumpur considerou o ex-chefe de Governo culpado de uma acusação de abuso de poder, confiança e três acusações de lavagem de dinheiro ligadas ao desvio para as suas contas privadas de 42 milhões de ringgit (8,4 milhões de euros) da SRC International, uma subsidiária do fundo estatal 1Malaysia Development Berhad (1MDB).

Najib Razak, que governou o país entre Abril de 2009 e Maio de 2018, manteve sempre a afirmação de inocência e garantiu ter sido enganado pelo empresário malaio Jho Low, seu conselheiro na altura que anda fugido />da Justiça. De acordo com a defesa de Najib, várias "circunstâncias e eventos" fizeram supor que Jho Low tinha ligações à casa real saudita e levaram o então chefe do Governo a acreditar nas suas acções. os fundos colocados nas suas contas eram provenientes de uma doação do próprio rei Abdullah bin Abdelaziz, falecido em 2015.

O juiz rejeitou o argumento, considerando que o réu "cometeu um erro ao não confirmar a veracidade" da doação, apesar de ter os mecanismos necessários para o fazer, não tendo sequer enviado uma carta de agradecimento.
O juiz também considerou provada a ligação entre o ex-primeiro ministro e Jho Low, tido como estratega do plano de corrupção.
"Perante todas as provas, considero que o réu sabia das três transacções, mas ocultou-as deliberadamente", disse o juiz.

Tempo

Multimédia