Mundo

Félix Tshisekedi anuncia operações militares em Ituri

O Presidente da RDC, Félix Tshisekedi, anunciou no fim-de-semana operações militares na província de Ituri, no nordeste do país, para a estabilização daquela região, com graves episódios de violência contra a população civil.

Chefe de Estado anuncia operações do Exército na província do Kivu do Sul, para pôr um fim aos grupos armados
Fotografia: DR

Num discurso à nação a propósito do 59º aniversário da independência do país, o Chefe de Estado, no cargo há cinco meses, disse que o seu objectivo é a paz e a estabilização, num país com graves problemas de segurança.
“O último caso de ressurgimento da insegurança em Ituri afecta-me profundamente porque é um grande passo atrás em termos de pacificação. Assim, ordenei às Forças Armadas que conduzissem operações em larga escala nos territórios de Djugu e Mahagi”, disse Tshisekedi, num discurso citado pela Rádio Okapi, que opera ao abrigo da missão de paz da ONU para a RDC (Monusco).
O Chefe de Estado disse ainda que haverá operações do Exército também em Minembwe, na província do Kivu do Sul, para pôr um fim definitivo à actividade dos grupos armados naquela parte do país.
A região de Ituri foi palco de um conflito entre agricultores (Lendu) e criadores de gado (Hema) entre 1999 e 2003, que resultou num balanço de dezenas de milhares de mortos, mas os últimos incidentes semelhantes na zona remontam apenas ao início de 2018. Tanto a província de Ituri como a de Kivu Norte estão ainda a ser assoladas por uma epidemia de Ébola.
Na passada quinta-feira, a ONU anunciou o reforço da presença dos capacetes azuis na província de Ituri por considerar “frágil” a segurança da população local.
Durante uma conferência de imprensa em Kinshasa, o tenente-coronel Claude Raoul Djehoungo, porta-voz militar da Missão das Nações Unidas no país, disse que o dispositivo de segurança foi reforçado na província de Ituri (nomeadamente nos territórios de Djugu, Mahagi Bunia e arredores), com o estabelecimento de uma equipa adicional com helicópteros de combate com um triplo objectivo: continuar a garantir a protecção das populações com uma presença preventiva e dissuasora, facilitar o acesso da ajuda aos deslocados internos com grande necessidade e estar ao lado das Forças Armadas na luta contra os autores da violência.
Segundo os dados da Agência de Refugiados das Nações Unidas, desde o início de Junho, a intensa violência inter-comunitária no território de Djugu forçou mais de 300 mil pessoas a fugir e buscar refúgio nos territórios vizinhos.
O governador da província de Ituri, Jean Bamanisa Saidi, disse que os conflitos armados fizeram mais de 160 mortos só entre 10 e 12 de Junho. A República Democrática do Congo tornou-se independente da Bélgica em 30 de Junho de 1960.

 

 

Tempo

Multimédia