Mundo

Forças Armadas libertaram civis

As autoridades nigerianas anunciaram ontem a libertação e consequente integração na sociedade de suspeitos de ligação ao grupo terrorista Boko Haram.

Militares prepararam os civis para a sua integração social
Fotografia: afp

Segundo a informação, as forças militares da Nigéria libertaram 244 pessoas, suspeitas de pertencerem ao Boko Haram, depois de terem passado por um processo de reabilitação.
“Os detidos beneficiaram de acções psicológicas para se afastarem das práticas radicais e retomarem a sua vida normal”, revelou o general Nocholas Roger. O oficial adiantou à BBC que “estamos a entregar os detidos ao go­verno de Borno”.
O grupo libertado, do qual também fazem parte mulheres e crianças, ficará agora a cargo do governador do estado de Borno, uma das áreas do país mais afectada pela violência motivada pelo extremismo islâmico.
Apesar de a libertação de pessoas alegadamente ligadas ao Boko Haram ser frequente, o número de 244 é o maior de que há registo. Por esse motivo, e tendo em conta a influência que o grupo terrorista ainda tem no país, as forças militares nigerianas estão a ser alvo de críticas, temendo-se as repercussões que estas libertações podem ter.
As libertações anunciadas ontem coincidem com a publicação de um vídeo por parte do grupo terrorista em que aparecem 14 estudantes sequestradas em Chibok, em Abril de 2014.

Tempo

Multimédia