Mundo

Idade pode explicar a situação de África

O director do Programa de Emergências da Organização Mundial da Saúde, OMS, Michael Ryan, disse que a Covid-19 em África não se espalhou de forma tão rápida, apesar de, na última semana, nove países terem tido um aumento de 50% de casos.

Fotografia: DR

Em conferência de imprensa online, desde Genebra, Suíça, disse que um dos motivos para que África tenha menos casos e menos mortes pode dever-se a um perfil diferente da idade, já que é muito maior a percentagem de população jovem, em relação a outros continentes. Além disso, acrescentou, os resultados da progressão da Covid-19 também são reportados com menos rapidez.

Números

Entretanto, o número de mortos pela Covid-19 em África subiu para os 3.183, com mais de 103 mil infectados em 54 países, segundo as estatísticas mais recentes.

De acordo com dados divulgados pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), os mortos subiram de 3.105 para 3.183, enquanto os casos de infecção cresceram de 100.666 para 103.933.

O número total de doentes recuperados passou de 39.543 para 41.473.

O Norte é a região mais afectada pela doença, com 1.541 mortos e 32.329 infectados. A África Ocidental regista 594 mortos e 27.769 infecções, enquanto a África Austral conta 417 mortos e 21.678 casos, quase todos num único país, a África do Sul (20.125).

Na África Oriental, há 11.426 casos, que causaram 303 mortos, e a África Central relata 328 vítimas mortais, em 10.731 casos. África do Sul, Argélia, Egipto, Marrocos, Nigéria e Ghana concentram cerca de metade das infecções e mais de dois terços das mortes.

O Egipto é o país com mais mortos (707) e 15.786 infecções, seguindo-se a Argélia, com 582 vítimas e 7.918 infectados. A África do Sul é o terceiro com mais mortos (397), continuando a ser o país do continente a registar mais casos (20.125).

Marrocos totaliza 197 vítimas mortais e 7.332 casos, a Nigéria tem 221 mortos e 7.261 casos, enquanto o Ghana tem 31 mortos e 6.617 casos. Entre os países africanos lusófonos, a Guiné-Bissau é o que tem mais infecções, com 1.114 casos, e regista seis mortos.

Cabo Verde tem 362 infecções e três mortos e São Tomé e Príncipe regista 282 casos e 11 mortos. Moçambique conta com 164 infectados. A Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), mantém há vários dias 719 casos e sete mortos.

Tempo

Multimédia