Mundo

Jair Bolsonaro exonera ministro da Saúde

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, exonerou hoje o seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no meio da pandemia provocada pelo novo coronavírus, após várias semanas de confronto entre ambos em relação ao isolamento como medida preventiva.

Ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.
Fotografia: DR

A exoneração vem confirmar o desencontro entre Mandetta e Bolsonaro, que se intensificou nas últimas semanas, com o ministro da Saúde a reforçar, diariamente, a importância do isolamento social para travar a disseminação do novo coronavírus, enquanto o Presidente defende precisamente o contrário, chegando a sair para as ruas, para socializar com apoiantes.

Jair Bolsonaro já tinha sido questionado se equacionava demitir Mandetta, mas, contudo, indicou sempre que este não era o momento ideal, devido ao problema que a área da Saúde enfrenta em relação ao novo coronavírus, frisando que qualquer um dos seus ministros pode ser afastado.

No início do mês, o chefe de Estado chegou a afirmar, sem citar nomes, que "algumas pessoas" do seu Governo "de repente viraram estrelas e falam pelos cotovelos", acrescentando que não teria medo nem "pavor" de usar "a caneta" contra eles.

O Brasil ultrapassou na quarta-feira a barreira dos três mil novos casos diários do novo coronavírus, registando o número recorde de 3.058 infetados e 204 mortos nas últimas 24 horas, informou o executivo.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 140 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

O ministro Mandetta já reagiu  na sua conta do Twitter "acabo de ouvir do Presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS (Sistema Único de Saúde), de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planear o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar".

O agora ex-governante, que é também médico, concluiu: "Agradeço a toda a equipa que esteve comigo no Ministério da Saúde e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país".

 

 

 

 

 

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, exonerou hoje o seu ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no meio da pandemia provocada pelo novo coronavírus, após várias semanas de confronto entre ambos em relação ao isolamento como medida preventiva.

"Acabo de ouvir do Presidente Jair Bolsonaro o aviso da minha demissão do Ministério da Saúde. Quero agradecer a oportunidade que me foi dada, de ser gerente do nosso SUS [Sistema Único de Saúde], de pôr de pé o projeto de melhoria da saúde dos brasileiros e de planear o enfrentamento da pandemia do coronavírus, o grande desafio que o nosso sistema de saúde está por enfrentar", confirmou Mandetta na rede social Twitter.

O agora ex-governante, que é também médico, concluiu: "Agradeço a toda a equipa que esteve comigo no Ministério da Saúde e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país".

A exoneração vem confirmar o desencontro entre Mandetta e Bolsonaro, que se intensificou nas últimas semanas, com o ministro da Saúde a reforçar, diariamente, a importância do isolamento social para travar a disseminação do novo coronavírus, enquanto o Presidente defende precisamente o contrário, chegando a sair para as ruas, para socializar com apoiantes.

Jair Bolsonaro já tinha sido questionado se equacionava demitir Mandetta, mas, contudo, indicou sempre que este não era o momento ideal, devido ao problema que a área da Saúde enfrenta em relação ao novo coronavírus, frisando que qualquer um dos seus ministros pode ser afastado.

No início do mês, o chefe de Estado chegou a afirmar, sem citar nomes, que "algumas pessoas" do seu Governo "de repente viraram estrelas e falam pelos cotovelos", acrescentando que não teria medo nem "pavor" de usar "a caneta" contra eles.

O Brasil ultrapassou na quarta-feira a barreira dos três mil novos casos diários do novo coronavírus, registando o número recorde de 3.058 infetados e 204 mortos nas últimas 24 horas, informou o executivo.

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 140 mil mortos e infetou mais de 2,1 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Mais de 450 mil doentes foram considerados curados.

Tempo

Multimédia