Mundo

Japão: Incêndio num estúdio de animação provoca 33 mortos

Pelo menos, 33 pessoas morreram ontem, na cidade de Quito, Japão, num estúdio de animação devastado por um incêndio, aparentemente criminoso,de acordo com as autoridades locais.

As autoridades adiantaram que mais de 70 pessoas estavam no prédio no momento do incêndio
Fotografia: DR

Segundo a agência de notícias AFP, o balanço de mortos neste incêndio subiu de 24 para, pelo menos, 33 mortos, após a descoberta de mais pessoas sem vida no edifício, segundo informações dos bombeiros no local. O número de mortos no incêndio deve aumentar ainda mais, já que há funcionários que ainda estão desaparecidos, enquanto outros 35 foram transportados para o hospital, incluindo dez gravemente feridos.
Os bombeiros também confirmaram que cerca de 35 pessoas ficaram feridas no incêndio, muitas delas com gravidade. O suspeito de ter incendiado o local também ficou ferido e foi transportado para o hospital, adiantaram as autoridades.
O incêndio aparentemente começou por volta das 10h30 hora local (2h30 em Angola), num prédio da empresa Kyoto Animation. O fogo foi praticamente extinto três horas depois. As autoridades adiantaram que cerca de 70 pessoas estavam no prédio no momento do incêndio e vários funcionários da empresa estavam desaparecidos. A Kyoto Animation, mais conhecida como KyoAni, fundada em 1981 como um estúdio de produção de animação e de banda desenhada, e é conhecida por ser de grande sucesso, casos de ‘Lucky Star’, ‘K-On!’ E ‘Haruhi Suzumiya’.
De acordo com a imprensa japonesa, o suposto autor do incêndio é um homem de 41 anos, tem uma tatuagem e pronunciava palavras que eram difíceis de interpretar quando foi detido.
De acordo com relatos dos media, no momento da tragédia havia dezenas de pessoas no prédio de dois andares localizado numa área residencial de Quioto, no centro-sul do Japão.
A Polícia local tem fortes suspeitas de que o incêndio teve origem criminosa. “Um homem derramou um líquido inflamável (gasolina, segundo os media) e incendiou-o”, disse um porta-voz da autarquia de Quioto.

Tempo

Multimédia