Mundo

Jornalistas de vários países testemunham fim dos testes

A Coreia do Norte convidou jornalistas de vários países, incluindo oito sul-coreanos, a testemunharem o encerramento da base de testes nucleares, na próxima semana.

Pyongyang abre as instalações nucleares a jornalistas e observadores estrangeiros
Fotografia: DR

O encerramento total das bases de ensaios nucleares está previsto para Junho e deve coincidir com a cimeira histórica entre o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un e o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
O ministro dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte anunciou no sábado que jornalistas da Coreia do Sul, Estados Unidos, República Popular da China e Reino Unido vão ser convidados a assistir à destruição dos túneis e ao desmantelamento dos postos de observação e das instalações de pesquisa de energia nuclear.
A acção vai decorrer entre os dias 23 e 25 de Maio na zona de ensaios nucleares em território norte-coreano.
O ministro da Unificação do Governo da Coreia do Sul disse ontem que foi informado pelas autoridades governamentais de Pyongyang que oito jornalistas sul-coreanos vão ser convidados a assistir à operação de desmantelamento.
A Coreia do Norte ainda não especificou o número e a localização dos pontos que vão ser desmantelados apesar de Pyongyang já ter informado que os jornalistas vão ser transportados, inicialmente, para a base de ensaios nucleares de Punggye-ri.
As duas Coreias mantêm hoje encontros ao mais alto nível, no paralelo 38, para discutirem o início das conversações militares entre os dois países (com a participação da Cruz Vermelha) e que têm como objectivo a redução das tensões na fronteira.
Devem também ser discutidas questões relacionadas com o processo de reunificação de famílias separadas desde a década de 1950.

Imagens de satélite

Imagens recolhidas por satélite e divulgadas ontem pelo portal especializado 38 North, indicam que a Coreia do Norte pode ter iniciado o desmantelamento do centro de testes nucleares, uma promessa feita na cimeira inter-coreana, a 27 de Abril passado.
Analistas do portal, dizem que as imagens recolhidas a 7 de Maio constituem a primeira “prova indiscutível” de que o desmantelamento já se encontra num nível “muito avançado”.
Vários “edifícios-chave” já foram “demolidos desde a análise anterior”, a 20 de Abril, afirmaram os mesmos analistas.
Segundo a última análise, alguns dos trilhos e veículos usados para escavar os túneis do complexo começaram a ser desmontados, bem como algumas pequenas construções secundárias. De acordo com a agência noticiosa norte-coreana KCNA, os trabalhos de desactivação das instalações vão decorrer na próxima semana, entre os dias 23 e 25.
O desmantelamento de Punggye-ri será testemunhado por observadores e jornalistas estrangeiros, numa cerimónia organizada pelas autoridades, tal como ficou acordado durante o encontro histórico entre os Presidentes norte-coreano, Kim Jong-un e o da Coreia do Sul, Moon Jae-in, na zona desmilitarizada da península.
O Presidente norte-coreano mostra-se empenhado em convencer a comunidade internacional e, em particular, o homólogo dos Estados Unidos, Donald Trump, que a desnuclearização total vai mesmo avançar.
Os dois líderes têm encontro marcado a 12 de Junho, em Singapura, numa cimeira considerada histórica por ser a primeira entre Presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Norte.
Pyongyang realizou seis testes nucleares subterrâneos em Punggye-ri, incluindo o último, o mais poderoso, em Setembro de 2017.

Guterres mostra satisfação

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, congratulou-se com o anúncio de encerramento do centro de testes nucleares norte-coreano e mostrou-se expectante quanto ao encontro entre os líderes da Coreia do Norte e dos Estados Unidos.
“O encerramento irreversível desta instalação será uma medida importante para a construção de confiança que irá sedimentar esforços adicionais em prol da paz e da desnuclearização verificável na península coreana”, declarou António Guterres aos jornalistas, em Viena.
Guterres manifestou igualmente a expectativa de que este “momento positivo seja consolidado” na cimeira entre os dois líderes.
A Casa Branca adiantou que a Coreia do Norte é um dos temas de conversa entre o Presidente dos Estados Unidos e o Secretário-Geral da ONU, na sexta-feira.

Tempo

Multimédia