Mundo

José Mário Vaz afirma candidatura à sua sucessão

O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, aceitou o pedido feito pelos seus apoiantes e anunciou que vai ser candidato às eleições presidenciais, marcadas para 24 de Novembro.

Fotografia: DR

“Um, dois, três. Aceito com orgulho e honra os vossos pedidos para me recandidatar para um segundo mandato”, afirmou José Mário Vaz, perante o aplauso de centenas de apoiantes, referiu hoje a Lusa.
“Afirmo hoje e aqui perante vós, meus irmãos e povo da Guiné-Bissau, que é por vós, para realizar os vossos anseios, continuarmos juntos a fazer desta terra um grande país, que eu sou candidato às eleições presidenciais de 24 de Novembro”, sublinhou o Presidente guineense.
O líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira e o antigo Primeiro-Ministro, Carlos Gomes Júnior já anunciaram a candidatura às eleições presidenciais na Guiné-Bissau.
Na moção de estratégia para conquistar a Presidência da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira afirmou que pretende liderar o país para o colocar na "senda do desenvolvimento e devolver-lhe o respeito em África e no mundo".
Aos 56 anos, Domingos Simões Pereira disse estar preparado para "dar o seu quinhão" e elege os presidentes Paul Kagame, do Rwanda, e Ado Nana, do Ghana, como modelos de desenvolvimento para a Guiné-Bissau.
O antigo Primeiro-Ministro guineense, Carlos Gomes Júnior, prometeu ser um ‘lutador incansável’ pela unidade da Guiné-Bissau e pelo fim da impunidade, na apresentação oficial da candidatura às eleições presidenciais.
“Como Presidente da República serei um lutador incansável pela promoção da unidade nacional, pelo diálogo e compreensão entre os guineenses em todos os quadrantes, seja no quadro do diálogo institucional com os demais órgãos de soberania, com os partidos políticos, com as instituições militares no quadro do papel do Presidente da República enquanto comandante supremo das Forças Armadas, com a sociedade civil, com o sector privado, com as instituições religiosas, os estudantes, jovens e mulheres”, disse Carlos Gomes Júnior.

 

Tempo

Multimédia