Mundo

Kim chega a Singapura para cimeira com Trump

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, reuniu-se ontem com o primeiro-ministro da Singapura, Lee Hsien Loong, horas depois de chegar àquele Estado, onde se vai reunir amanhã com o Presidente norte-americano, Donald Trump.

Mundo tem as atenções viradas para a Cimeira entre Estados Unidos e Coreia do Norte
Fotografia: DR

O encontro decorreu no palácio governamental de Istana, local onde os dois responsáveis foram vistos a conversar amigavelmente.
Sorridente, Kim Jong-un disse a Lee Hsien Loong: “O mundo inteiro está a assistir a esta reunião histórica entre a Coreia do Norte e os Estados Unidos da América e, graças ao seu sincero empenho (...), fomos capazes de concretizar e preparar o encontro”.
Antes de receber o líder norte-coreano, Lee Hsien Loong afirmou em conferência de imprensa que Singapura espera que o encontro “leve à segurança e à estabilidade da região”.
O primeiro-ministro da Singapura elogiou a decisão “audaz e admirável” de Trump e Kim de se reunirem e expressou “esperança” que a cimeira “impulsione as perspectivas de paz e estabilidade na península coreana e na região em geral”, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Singapura.
Kim Jong-un desembarcou ontem em Singapura, dois dias antes do encontro com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, após três meses de preparativos marcados por avanços e recuos.
De acordo com a imprensa local, o avião em que seguia Kim Jong-un aterrou no aeroporto de Changi, Singapura, pouco depois das 15h00 locais (8h00 em Angola).
Acompanham o líder, Kim Yong-chol, considerado o braço direito de Kim Jong-un e vice-presidente do Partido dos Trabalhadores, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Ri Yong-ho, o responsável pelas Relações Exteriores do Partido, Ri Seu-Yong e o chefe de gabinete de Kim Jong-un, Kim Chang-son. Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, também já se encontra em Singapura. O aeroporto, tal como toda a cidade de Singapura, está rodeado de medidas de segurança.
A organização do encontro entre Trump e Kim Jong-un foi uma corrida contra o tempo - com uma frenética actividade diplomática em Washington, Singapura, Pyongyang e na fronteira entre as duas Coreias -, em que houve anúncios, ameaças, cancelamentos e retratações surpreendentes.
A cimeira tem início marcado para as 9h00 locais de amanhã (3 da madrugada de hoje em Angola) no hotel Capella de Singapura, e será a primeira reunião da história entre líderes dos dois países após quase 70 anos de confronto e 25 de negociações fracassadas e tensões.

Papa reza pela paz
O Papa Francisco rezou ontem para que a cimeira entre os líderes norte-americano e norte-coreano consiga estabelecer as bases para a paz, noticia a agência Associated Press (AP).
Durante a missa dominical na cidade do Vaticano, o Papa disse ter esperança de que as conversações entre os Presidentes norte-americano e norte-coreano, Donald Trump e Kim Jong-un, respectivamente, que se realiza amanhã, em Singapura, contribuam para “o desenvolvimento de um caminho positivo que assegure um futuro de paz para a península coreana e todo o mundo”.
O líder da Igreja Católica apostólica romana convidou os milhares de fiéis que se concentravam na praça de S. Pedro a rezarem com ele para que a Virgem Maria “acompanhe essas conversações”. O Papa voltou a expressar um “pensamento especial de amizade e oração” para o povo coreano.

Tempo

Multimédia