Mundo

Le Pen critica aliado austríaco

A líder da União Nacional (extrema-direita francesa) demarcou-se do escândalo de corrupção que está a abalar o seu aliado austríaco, o Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ), afirmando que o ex-líder daquela formação cometeu uma “falta grave”.

Marine Le Pen aponta “falta grave” de Strache
Fotografia: DR

“Estamos diante da culpa de um homem que teve uma falta grave. Esta foi imediatamente sancionada pela sua demissão, não apenas do cargo de vice-chanceler (austríaco), mas também de presidente do FPÖ”, um partido aliado da União Nacional no Parlamento Europeu (PE), afirmou ontem Marine Le Pen, em declarações à emissora FranceInfo.
A poucos dias das eleições europeias, uma crise abalou no fim-de-semana o Governo de coligação austríaco, na sequência de um escândalo de corrupção que envolveu Heinz-Christian Strache, então líder do FPÖ e número dois do Executivo de Viena.
Segundo informações divulgadas por dois jornais alemães, Strache foi filmado, por uma câmara oculta, a prometer a uma suposta sobrinha de um milionário russo, alguns meses antes das eleições legislativas austríacas de 2017, a adjudicação de contratos públicos em troca de apoio financeiro e mediático ao FPÖ.
No seguimento destas revelações, Strache avançou, no sábado, com a sua demissão (do Executivo e da liderança do partido) e o chanceler conservador austríaco, Sebastian Kurz, anunciou a ruptura da coligação e a realização de legislativas antecipadas.
O FPÖ integrava, juntamente com o Partido Popular Austríaco (ÖVP, conservador), o Executivo austríaco desde 2017.
Nas declarações à FranceInfo, a líder da União Nacional questionou, no entanto, o momento escolhido para divulgar o vídeo de Strache: “Por que é que aqueles que montaram esta armadilha não divulgaram o vídeo [datado de 2017] para impedir que Heinz-Christian Strache fosse vice-chanceler?”.
Le Pen afirmou ainda que o vídeo em questão não estabelece qualquer relação com a Rússia.
“As pessoas que surgem a propor (a Heinz-Christian Strache) dinheiro não são russas”, disse a política francesa.

Rússia nega envolvimento

O Governo russo negou ontem qualquer envolvimento no escândalo político na Áustria, motivado pela divulgação de um vídeo que compromete o líder da extrema-direita, Heinz-Christian Strache, o que levou ao colapso da coligação austríaca, no fim-de-semana.
“É uma história que não tem nada a ver e que não pode ser relacionada connosco de forma alguma”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, após ser questionado sobre o escândalo na Áustria.
“Não posso expressar a minha opinião sobre este vídeo porque não tem nada a ver com a Rússia, nem com o Presidente nem com o Governo. Não sabemos quem é essa mulher, mesmo que ela seja de nacionalidade ou de origem russa”, acrescentou Peskov.
Igor Makarov, o oligarca citado no vídeo, disse no domingo que é filho único e que não conhece ou não tem parentesco com a mulher que se apresenta como sua sobrinha, em declarações feitas à edição russa da revista Forbes.

Tempo

Multimédia