Mundo

Legislativa parcial ameaça a maioria parlamentar

Uma eleição legislativa parcial foi ontem marcada para 1 de Agosto num círculo do País de Gales, após o afastamento do deputado eleito devido a um pedido popular, o que ameaça a maioria parlamentar do Governo britânico.

Fotografia: DR

O deputado conservador Chris Davies, 51 anos, foi condenado por falsificar documentos relacionados com despesas, desencadeando o pedido popular para a sua destituição, um mecanismo que dá aos eleitores britânicos a possibilidade de demitir parlamentares por má conduta.
Mais de 10 mil pessoas subscreveram o pedido, mais de 10 por cento dos eleitores, pelo que foi bem-sucedida.
Apesar de ter sido destituído, o antigo deputado conservador Chris Davies foi seleccionado pelo mesmo partido para se recandidatar, numa tentativa de segurar o lugar, importante para a maioria do Governo no Parlamento.
A eleição parcial será uma prova de fogo para o sucessor de Theresa May como Primeiro-Ministro, seja Boris Johnson ou Jeremy Hunt, um dos quais será nessa altura Chefe do Governo.
Apresentando como candidata a líder no País de Gales, Jane Dodds, os Liberais Democratas pretendem recuperar o lugar que ocuparam durante quase duas décadas, procurando replicar o sucesso eleitoral registado nas eleições locais e europeias de Maio.
Por outro lado, o partido do Brexit, vencedor das eleições europeias, vai tentar eleger o primeiro representante na Câmara dos Comuns, aproveitando o descontentamento dos galeses com o impasse no processo de saída do Reino Unido na União Europeia.
No círculo eleitoral de Brecon e Radnorshire, 52 por cento dos eleitores votaram a favor do Brexit no referendo de 2016, apenas um ponto percentual a menos que no conjunto do País de Gales.
O partido Change UK confirmou estarem em curso negociações com outros partidos pró-europeus, como os nacionalistas galeses do Plaid Cymru e os Verdes para formar uma aliança com os Liberais Democratas no sentido de unirem o voto anti-Brexit.
Porém, este pacto não deverá incluir o Partido Trabalhista, que já nomeou o parlamentar Tom Davies como candidato.
Se Chris Davies não conseguir reconquistar o assento para o Partido Conservador, o Governo ficará com uma maioria reduzida a três deputados.
, dependente do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte.
Esta margem poderá ser crucial não só no processo do Brexit, mas também se o próximo Primeiro-Ministro enfrentar uma moção de censura.

 

Tempo

Multimédia